Pular para o conteúdo principal

Você pode vencer a tentação

Semana passada enquanto esperava minha filha fazer uma prova para ingressar na faculdade, acessei a internet e me foi sugerido no YouTube um vídeo (logo abaixo) sobre a tentação de Jesus. O áudio estava em espanhol, mas algo me atraiu nas imagens e na qualidade de voz dos personagens. Como tinha tempo e o vídeo era de apenas quatro minutos, continuei vendo. Mesmo conhecendo o texto bíblico há mais de trinta anos e já tendo visto essa passagem bíblia ser encenada em vários filmes, aquele vídeo me prendeu a atenção e começou a falar comigo de um modo que eu nunca antes tinha percebido. As aplicações foram diretas e práticas.

Naquela noite fiquei muito tempo na cama considerando as aplicações do vídeo ao meu coração antes de pegar no sono. Foi uma experiência marcante para mim e gostaria de compartilhar com você os pontos chaves da tentação, esperando que de algum modo Deus também fale com você como falou comigo, de acordo com sua realidade, assim como falou dentro da minha realidade. O texto bíblico diz:

A seguir, foi Jesus levado pelo Espírito ao deserto, para ser tentado pelo diabo. E, depois de jejuar quarenta dias e quarenta noites, teve fome. Então, o tentador, aproximando-se, lhe disse: Se és Filho de Deus, manda que estas pedras se transformem em pães. Jesus, porém, respondeu: Está escrito: Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus. Então, o diabo o levou à Cidade Santa, colocou-o sobre o pináculo do templo e lhe disse: Se és Filho de Deus, atira-te abaixo, porque está escrito: Aos seus anjos ordenará a teu respeito que te guardem; e: Eles te susterão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra. Respondeu-lhe Jesus: Também está escrito: Não tentarás o Senhor, teu Deus. Levou-o ainda o diabo a um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles e lhe disse: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares. Então, Jesus lhe ordenou: Retira-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a ele darás culto. Com isto, o deixou o diabo, e eis que vieram anjos e o serviram. (Mateus 4.1-11).

Quais pedras você tem transformado em pães? O Jesus que multiplicou pães e peixes poderia transformar pedras em pães, mas não o fez. O diabo tentou Jesus a transformar pedras em pães. Essa tentação também tem sido minha. Depois de quarenta dias e quarenta noites sem comer, o diabo se aproximou dele com essa proposta tentadora. Jesus não cedeu e afirmou que mesmo com fome somos alimentados também com a palavra de Deus. A diferença é que ao contrário de Jesus, tenho transformado algumas pedras em pães. Tenho me alimentado do que não alimenta, fazendo transformações convenientes ao meu bel prazer. Isso devo evitar e posso evitar contando sempre com a ajuda de Jesus.

Você tem provocado a bondade de Deus? O Jesus que andou sobre as águas poderia ter pulado do pináculo do templo sem sofrer acidente, mas não o fez. Não havia necessidade de testar a veracidade da palavra de Deus. É interessante considerar que o Salmo 91 citado pelo diabo diz que os anjos nos guardam em todos os nossos caminhos e nos sustentam nas suas mãos, para não tropeçarmos nalguma pedra. Ele não fala de voo mas de caminhada. É tão fácil continuar fazendo o que não se deve fazer mesmo sabendo que Deus não aprova nosso erro. Mas, visto que "nada" acontece como consequência punitiva de Deus, tendemos a pular e continuar pulando, porém, isso pode nos surpreender com experiências desagradáveis.

O que ou a quem você tem adorado? O diabo se atreveu a propor que Jesus o adorasse. A resposta de Jesus é sabida de todos: somente Deus deve ser adorado. Mas, é isso o que tenho feito exatamente? O que tem prendido minha atenção, roubado meu tempo, tirado minhas energias? Onde está o meu tesouro, aí estará também o meu coração. Devo me livrar de todos os ídolos e não amar esse mundo com seu sistema pecaminoso. Se eu amar o mundo, não consigo amar o Pai celestial; porque tudo que há no mundo, os desejos carnais, o desejo dos olhos e a vaidade da vida, não procede do Pai, mas procede do mundo.

Enquanto isso a Bíblia diz: "Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar". Você pode vencer as tentações porque Deus nos capacita para isso. Mas é preciso não querer fazer o que a tentação oferece e parar de culpar pessoas ou o diabo (não dê lugar ao diabo infamando-o) pelos nossos pecados, pois quando fazemos assim deixamos de nos voltar para Deus arrependidos. Portanto, fica a dica do sábio Salomão: "O homem que muitas vezes repreendido endurece a cerviz será quebrantado de repente sem que haja cura".

Tendo, pois, a Jesus, o Filho de Deus, como grande sumo sacerdote que penetrou os céus, conservemos firmes a nossa confissão. Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi ele tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado. Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna. (Hebreus 4.14-16).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O conhecimento e suas implicações

"Quem come do fruto do conhecimento é sempre expulso de algum paraíso" (Melanie Klein). Não posso deixar de dizer duas coisinhas rápidas considerando o contexto dessas palavras de Melanie Klein: Nem todo conhecimento merece ser conhecido, sob pena de sermos expulsos do paraíso maravilhoso que nos acolhia mesmo não tendo o conhecimento que resulta na expulsão. Saber menos muitas vezes significa ser mais sábio. Por outro lado, o conhecimento abre nossos olhos e nos leva a romper com os limites de muitos paraísos. Às vezes nem precisamos decidir sair porque somos expulsos antes. Quando isso acontece quase sempre experimentamos a liberdade que não conhecíamos no paraíso que tanto valorizávamos. Cada um de nós deve discernir o que vale a pena conhecer e o que vale a pena ignorar. Ficar dentro ou fora do paraíso é uma decisão nossa. Mas é bom conhecer os valores e as implicações de nossas decisões, pois somos livres para escolher, mas não somos livres para escolher as consequênc…

Quando o pecado é acalentado

“Se eu no coração contemplara a vaidade, o Senhor não me teria ouvido” (Sl 66.18). O pecado nos assedia, nos cerca com a intenção de dominar, nos persegue com insistência, nos importuna. Somos atraídos ao pecado pelos nossos próprios desejos; e o pecado uma vez consumado, gera a morte. Mesmo sabendo disso, acalentamos o pecado como uma mãe que embala o seu filhinho para dormir. Quando isso acontece perdemos para o pecado, porque ele acontece dentro antes que fora de nós.
Devemos perder todo cinismo em relação ao pecado e tratá-lo com a dureza que a santidade de Deus requer. É uma luta que não acaba. Às vezes parece que já vencemos a tendência de errar, mas não demora e percebemos que somos propensos ao mal.
Não é sem razão que a Bíblia usa expressões fortes como: confessar, cortar, matar, negar, quando fala de nosso trato com o pecado. Não devemos acalentar jamais o pecado em nosso coração; ele quebra nossa comunhão com Deus, com as pessoas, e agita negativamente o nosso interior, provo…

A luta interior do pregador

Quem anuncia o Evangelho tem pés formosos, é um privilegiado; é assim que me sinto, e essa glória ninguém a tira de mim. Porém, ninguém conhece os conflitos interiores de um pregador senão ele mesmo. Quando chamado para libertar o povo de Israel do Egito, Moisés pediu que Deus enviasse outro porque ele se sentia desqualificado. Mas, o Senhor lhe disse: "Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar". E ele foi. Quando Deus convocou o profeta Jeremias, a reação dele foi: "ah! Senhor Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança". Mas o Senhor lhe disse: "Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás". Mais tarde Jeremias lamentou e chorou muitas vezes pelo seu ministério. Servia de escárnio todo dia diante do povo. Chegou ao ponto de pensar em parar de falar como pregador. Mas esse pensamento atingiu seu coração como um fogo ardente alcançando…