Pular para o conteúdo principal

Lições do Mandacaru

Há meses minha esposa plantou em nosso quintal um pé de mandacaru. Ontem, o arranquei sem querer. Mexi na terra distante dele uns dois metros e descobri sua enorme raíz que se espalha em várias direções.

O mandacaru é um cacto que nasce e cresce no campo sem qualquer trato. Até sobre telhados de casas rurais pode-se ver pé de mandacaru. O crescimento fica na dependência dos nutrientes do solo em que germina. Ele é típico da caatinga e pode atingir 5 até 6 metros de altura e sabe viver em ambiente de clima seco, com quantidades de água reduzidas. Suas raízes são responsáveis pela captação de água no lençol freático. O miolo, contém vasos condutores da água e outras substâncias vitais à planta. A parte externa é protegida por uma grossa cutícula que impede excessiva perda de água por transpiração.

Sendo nordestino conheço bem essas características do mandacaru. Mas fiquei surpreso com o tamanho de sua raíz e tirei algumas lições: 1. Para viver nesse mundo árido precisamos saber onde e como buscar a necessária subsistência; 2. Não adianta reclamar do clima seco. Sobrevive quem estende suas raízes; 3. Se possível, tenha reservas. Isso é necessário para se manter e enfrentar os períodos mais secos que o normal; 4. A chuva é sempre bem-vinda, mas não dá pra ficar esperando. É preciso cavar e aproveitar qualquer terrinha, mesmo nos telhados; 5. Mesmo quando a vegetação ao redor fica toda seca, o mandacaru se mantém verde. Seja você mesmo em qualquer ambiente. Não amarele porque os outros estão secos. Viva! Você é capaz de viver mesmo nas piores caatingas da vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O conhecimento e suas implicações

"Quem come do fruto do conhecimento é sempre expulso de algum paraíso" (Melanie Klein). Não posso deixar de dizer duas coisinhas rápidas considerando o contexto dessas palavras de Melanie Klein: Nem todo conhecimento merece ser conhecido, sob pena de sermos expulsos do paraíso maravilhoso que nos acolhia mesmo não tendo o conhecimento que resulta na expulsão. Saber menos muitas vezes significa ser mais sábio. Por outro lado, o conhecimento abre nossos olhos e nos leva a romper com os limites de muitos paraísos. Às vezes nem precisamos decidir sair porque somos expulsos antes. Quando isso acontece quase sempre experimentamos a liberdade que não conhecíamos no paraíso que tanto valorizávamos. Cada um de nós deve discernir o que vale a pena conhecer e o que vale a pena ignorar. Ficar dentro ou fora do paraíso é uma decisão nossa. Mas é bom conhecer os valores e as implicações de nossas decisões, pois somos livres para escolher, mas não somos livres para escolher as consequênc…

Quando o pecado é acalentado

“Se eu no coração contemplara a vaidade, o Senhor não me teria ouvido” (Sl 66.18). O pecado nos assedia, nos cerca com a intenção de dominar, nos persegue com insistência, nos importuna. Somos atraídos ao pecado pelos nossos próprios desejos; e o pecado uma vez consumado, gera a morte. Mesmo sabendo disso, acalentamos o pecado como uma mãe que embala o seu filhinho para dormir. Quando isso acontece perdemos para o pecado, porque ele acontece dentro antes que fora de nós.
Devemos perder todo cinismo em relação ao pecado e tratá-lo com a dureza que a santidade de Deus requer. É uma luta que não acaba. Às vezes parece que já vencemos a tendência de errar, mas não demora e percebemos que somos propensos ao mal.
Não é sem razão que a Bíblia usa expressões fortes como: confessar, cortar, matar, negar, quando fala de nosso trato com o pecado. Não devemos acalentar jamais o pecado em nosso coração; ele quebra nossa comunhão com Deus, com as pessoas, e agita negativamente o nosso interior, provo…

Quando o riacho seca

Para Rosa Graciela
O profeta de Deus muitas vezes sofre as consequências das profecias que faz. Elias profetizou que nem orvalho nem chuva cairiam em Israel por alguns anos. Em seguida Deus falou a Elias para que ele se escondesse à beira de um riacho de onde beberia e seria sustentado por corvos que por ordem de Deus lhe trariam comida pela manhã e ao anoitecer. Mas, depois de algum tempo o riacho secou.
Andar com Deus e fazer a sua vontade não garantem segurança e tranquilidade para ninguém. A obediência nos faz andar por caminhos difíceis e experimentar o que poderíamos evitar se andássemos por nossas próprias veredas. Isso certamente não quer dizer que seja melhor desobedecer a Deus, pelo contrário, as tribulações que nos advêm como resultado da obediência sempre nos faz bem. Além disso, não podemos esquecer que neste mundo todo riacho pode secar, mas a provisão de Deus jamais faltará.
Os riachos secam, as pessoas secam em seus afetos, em suas relações, mas o amor de Deus e o seu cui…