Pular para o conteúdo principal

Sobre

Antonio Francisco é o primeiro filho de Carmina. Criado pelos avós, ele conheceu o pai aos dezesseis anos de idade depois de uma infância discriminada pelo fato de ser filho de mãe solteira, o que resultou numa adolescência triste e cheia de melancolias. Desde cedo se mostrou amante dos livros, dos quais recebeu consolo e estímulos. Quando ainda menino foi atraído por um quadro que dizia: “Quem não lê, pouco sabe, pouco entende, pouco vê, pouco fala”.

Depois da morte de seu avô foi estudar na cidade, morando na casa de uma tia. Sempre foi um sonhador, alegrando-se com as possibilidades imaginadas. Continua sonhando, acreditando sempre que o melhor sempre está por vir, mas sem deixar de ser grato pelo presente. Um de seus princípios de vida é viver um dia de cada vez. Ele sabe que Deus fez tudo do nada e continua fazendo, podendo usar até a catástrofe para fazer tudo recomeçar melhor em nós.

Na escola era atraído pelas figuras religiosas que via nos livros de história; sua percepção mística foi sentida desde bem cedo. Imagens como a primeira missa rezada no Brasil, padre Anchieta e tudo o que era religioso chamava sua atenção. Foi nesse tempo que se despertou para a vida espiritual. Bem antes disso, participou de muitos terços rezados por sua mãe em casa com os familiares e vizinhos; decorou muitas rezas sendo capaz de recitá-las facilmente. Quando menino, vibrava com as festas religiosas, quando um padre vinha para oficiar as celebrações, mesmo não entendendo nada do que acontecia ao redor.

Foi a partir de uma tarefa escolar que teve seu primeiro contato com a Bíblia. Com essa tarefa leu uma parábola de Jesus numa missa na igreja principal da cidade. Depois disso a sua atração por coisas religiosas se aguçou, até que começou a frequentar uma igreja evangélica próxima de sua casa juntamente com uma prima. Sua primeira Bíblia foi adquirida de um modo quase imoral. Pediu dinheiro emprestado em nome de sua avó para comprar a Bíblia. Isso aconteceu um dia antes de sua conversão.

Em 1978 aconteceu o fato que mudou sua vida. Depois de alguns cultos na igreja, certo domingo aconteceu o melhor, aceitou o apelo do pastor no final de uma mensagem da Bíblia e entregou sua vida a Jesus como seu Senhor e Salvador. Depois disso, tudo mudou. Seu amor pela Bíblia nasceu de um modo revolucionário. Lia a Bíblia com muita dedicação e fez isso ao longo de anos, e assim continua. Conheceu Rosângela sua primeira namorada com quem se casou e trabalhou dedicadamente na igreja liderando jovens, ensinando na Escola Bíblica Dominical, pregando em sítios, fazendas, praças, presídios e casas.

Em 1982 se casou, e uma semana depois mudou-se para o centro-oeste do Brasil juntamente com a esposa para estudarem teologia no seminário da denominação. Não tinha nenhuma estrutura econômica que lhe garantisse estabilidade. Com ele, quase foi literal o que diz uma música do Luiz Gonzaga, “a mala era um saco e o cadeado era um nó”. Mas nada disso tirou a paz e a convicção do seu chamado ministerial. As palavras do apóstolo Paulo ao rei Agripa podem ser suas: “Não fui desobediente à visão celestial” (At 26.19). Depois disso, todos os outros sonhos que ele tinha se dissiparam.

Antonio Francisco teve três rápidas experiências pastorais antes de assumir o pastorado da Igreja Cristã Evangélica Reencontro em Cuiabá, onde a pastoreou por vinte e um anos. Sua convicção em liderar fundamentado nos ensinamentos bíblicos tem lhe custado várias situações difíceis, inclusive a saída do então pastorado; mas nunca perdeu o ânimo, olhando firmemente para Jesus, Autor e Consumador da fé (Hb 12.2). A religiosidade não suporta a vivência do evangelho. Não foi sem razão que Jesus disse: "Vem a hora em que todo o que vos matar julgará com isso tributar culto a Deus (Jo 16.2).

Antonio Francisco tem aprofundado sua consciência no Evangelho de Cristo. Como resultado disso deixou o pastorado da igreja mencionada acima e pediu desligamento da denominação a que pertenceu por trinta e dois anos. Ele rompeu com a igreja evangélica como instituição, entendendo que ser evangélico hoje em dia é fazer parte de uma religião, ora legalista, ora farisaica, ora moralista, o que não lhe interessa como nunca lhe interessou; mas a compreensão que tem recebido da vida com Jesus o levou a decidir sair desse meio.

Em novembro de 2010 fundou a Comunidade do Caminho, não como mais uma instituição religiosa evangélica, mas como um movimento aberto a todos que queiram caminhar com Jesus segundo o seu Evangelho. Jesus é a porta de nossa comunidade, onde você pode entrar para uma vida livre; você pode entrar e sair, com a certeza de encontrar o que sua alma mais deseja – vida. Jesus é o verdadeiro caminho de nossa vida (Jo 10.9; 14.6).

Antonio Francisco é casado há quase trinta anos com Rosângela, é pai de Quézia, Abigail e Renira, uma delas já casada; sonha em ser avô do Caio ou da Sara ou de ambos, esperando o tempo de Deus.

Postagens mais visitadas deste blog

O conhecimento e suas implicações

"Quem come do fruto do conhecimento é sempre expulso de algum paraíso" (Melanie Klein). Não posso deixar de dizer duas coisinhas rápidas considerando o contexto dessas palavras de Melanie Klein: Nem todo conhecimento merece ser conhecido, sob pena de sermos expulsos do paraíso maravilhoso que nos acolhia mesmo não tendo o conhecimento que resulta na expulsão. Saber menos muitas vezes significa ser mais sábio. Por outro lado, o conhecimento abre nossos olhos e nos leva a romper com os limites de muitos paraísos. Às vezes nem precisamos decidir sair porque somos expulsos antes. Quando isso acontece quase sempre experimentamos a liberdade que não conhecíamos no paraíso que tanto valorizávamos. Cada um de nós deve discernir o que vale a pena conhecer e o que vale a pena ignorar. Ficar dentro ou fora do paraíso é uma decisão nossa. Mas é bom conhecer os valores e as implicações de nossas decisões, pois somos livres para escolher, mas não somos livres para escolher as consequênc…

Quando o pecado é acalentado

“Se eu no coração contemplara a vaidade, o Senhor não me teria ouvido” (Sl 66.18). O pecado nos assedia, nos cerca com a intenção de dominar, nos persegue com insistência, nos importuna. Somos atraídos ao pecado pelos nossos próprios desejos; e o pecado uma vez consumado, gera a morte. Mesmo sabendo disso, acalentamos o pecado como uma mãe que embala o seu filhinho para dormir. Quando isso acontece perdemos para o pecado, porque ele acontece dentro antes que fora de nós.
Devemos perder todo cinismo em relação ao pecado e tratá-lo com a dureza que a santidade de Deus requer. É uma luta que não acaba. Às vezes parece que já vencemos a tendência de errar, mas não demora e percebemos que somos propensos ao mal.
Não é sem razão que a Bíblia usa expressões fortes como: confessar, cortar, matar, negar, quando fala de nosso trato com o pecado. Não devemos acalentar jamais o pecado em nosso coração; ele quebra nossa comunhão com Deus, com as pessoas, e agita negativamente o nosso interior, provo…

A luta interior do pregador

Quem anuncia o Evangelho tem pés formosos, é um privilegiado; é assim que me sinto, e essa glória ninguém a tira de mim. Porém, ninguém conhece os conflitos interiores de um pregador senão ele mesmo. Quando chamado para libertar o povo de Israel do Egito, Moisés pediu que Deus enviasse outro porque ele se sentia desqualificado. Mas, o Senhor lhe disse: "Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar". E ele foi. Quando Deus convocou o profeta Jeremias, a reação dele foi: "ah! Senhor Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança". Mas o Senhor lhe disse: "Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás". Mais tarde Jeremias lamentou e chorou muitas vezes pelo seu ministério. Servia de escárnio todo dia diante do povo. Chegou ao ponto de pensar em parar de falar como pregador. Mas esse pensamento atingiu seu coração como um fogo ardente alcançando…