Pular para o conteúdo principal

O suspiro do povo pelas ruas do Brasil

Aqui vale lembrar as palavras do velho Ulysses Guimarães: “A única coisa que mete medo em político é o POVO nas ruas”. Acredito que a classe política brasileira está considerando bem as manifestações públicas nesses dias pelas ruas de nosso país. O povo está descobrindo uma nova forma de fazer política, e isso vai mudar a composição política no Congresso Nacional, nos poderes estaduais e municipais. Sempre é tempo de recomeçar. Por outro lado, esse é um filme bem conhecido no Brasil, o fato de manifestações públicas terem um efeito imediato e passageiro. Essa pode ser mais uma onda como outras tantas.

O interessante nesses protestos contra a corrupção e a injustiça no Brasil, é que não há comandos políticos à frente desse movimento – é um clamor popular. As redes sociais estão unindo os brasileiros nesse grande manifesto. Ainda hoje assisti uma reportagem onde alguns manifestantes se apresentaram com bandeiras políticas partidárias que foram rejeitadas pelo povo, e mais, as bandeiras foram queimadas em praça pública, porque esse não é um movimento político partidário, é um movimento do Povo Brasileiro. A passividade do povo está mudando e isso já se fazia necessário. Esse país precisa mudar. Chega!!!

Era um país muito engraçado

“Era um país
Muito engraçado,
Faltava escola
Sobrava estádio!

Governo vinha
Com enrolação,
Quem discordava
“Ó o camburão!”...

Cada pessoa
Tinha que ser burra,
Pois do contrário
Levava surra!

Ninguém podia
Protestar não,
Porque a PM
Sentava a mão!

Um belo dia
Tudo mudou,
Esse país
Enfim acordou!

O povo disse:
“Chega, não mais”!
Enfrentou balas
Suportou gás!

Não é apenas
Por vinte centavos,
Pois do sistema
Somos escravos!

Lutemos pois,
Pela verdade
E conquistemos
A liberdade!

Seguindo vamos,
Todos unidos,
Sem depender
De podres partidos!

E o resultado
É que essa união
Pode acabar
EM REVOLUÇÃO!!!”.

A Bíblia fala aos políticos do Brasil

“Quando triunfam os justos, há grande festividade; quando, porém, sobem os perversos, os homens se escondem” (Provérbios 28.12).

“Quando se multiplicam os justos, o povo se alegra, quando, porém, domina o perverso, o povo suspira” (Provérbios 29.2).

“O rei justo sustém a terra, mas o amigo de impostos a transtorna” (Provérbios 29.4).

“Informa-se o justo da causa dos pobres, mas o perverso de nada disso quer saber” (Provérbios 29.7).

“Abre a boca a favor do mudo, pelo direito de todos os que se acham desamparados. Abre a boca, julga retamente e faze justiça aos pobres e aos necessitados” (Provérbios 31.8-9).

“Ai dos que ajuntam casa a casa, reúnem campo a campo, até que não haja mais lugar, e ficam como únicos moradores no meio da terra!” (Isaías 5.8).

“Ai dos que são heróis para beber vinho e valentes para misturar bebida forte, os quais por suborno justificam o perverso e ao justo negam justiça!” (Isaías 5.22-23).

“Ai dos que decretam leis injustas, dos que escrevem leis de opressão, para negarem justiça aos pobres, para arrebatarem o direito aos aflitos do meu povo, a fim de despojarem as viúvas e roubarem os órfãos!” (Isaías 10.1-2).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O conhecimento e suas implicações

"Quem come do fruto do conhecimento é sempre expulso de algum paraíso" (Melanie Klein). Não posso deixar de dizer duas coisinhas rápidas considerando o contexto dessas palavras de Melanie Klein: Nem todo conhecimento merece ser conhecido, sob pena de sermos expulsos do paraíso maravilhoso que nos acolhia mesmo não tendo o conhecimento que resulta na expulsão. Saber menos muitas vezes significa ser mais sábio. Por outro lado, o conhecimento abre nossos olhos e nos leva a romper com os limites de muitos paraísos. Às vezes nem precisamos decidir sair porque somos expulsos antes. Quando isso acontece quase sempre experimentamos a liberdade que não conhecíamos no paraíso que tanto valorizávamos. Cada um de nós deve discernir o que vale a pena conhecer e o que vale a pena ignorar. Ficar dentro ou fora do paraíso é uma decisão nossa. Mas é bom conhecer os valores e as implicações de nossas decisões, pois somos livres para escolher, mas não somos livres para escolher as consequênc…

A luta interior do pregador

Quem anuncia o Evangelho tem pés formosos, é um privilegiado; é assim que me sinto, e essa glória ninguém a tira de mim. Porém, ninguém conhece os conflitos interiores de um pregador senão ele mesmo. Quando chamado para libertar o povo de Israel do Egito, Moisés pediu que Deus enviasse outro porque ele se sentia desqualificado. Mas, o Senhor lhe disse: "Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar". E ele foi. Quando Deus convocou o profeta Jeremias, a reação dele foi: "ah! Senhor Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança". Mas o Senhor lhe disse: "Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás". Mais tarde Jeremias lamentou e chorou muitas vezes pelo seu ministério. Servia de escárnio todo dia diante do povo. Chegou ao ponto de pensar em parar de falar como pregador. Mas esse pensamento atingiu seu coração como um fogo ardente alcançando…

Jó e Enoque

"Jó é Enoque ao contrário (Gn 5.24). Enoque andou com Deus e foi arrebatado para não ver a morte. Jó anda com Deus e é esmagado até ver e sentir o hálito da morte. E ambos foram não apenas justificados pela mesma fé, mas também experimentaram o que experimentaram pela amizade com o mesmo Deus. Portanto, o que vale é: 'se subo aos céus, lá estás; se faço a minha cama no mais profundo abismo, lá estás também'" (Sl 139.8). [Enigma da Graça, Caio Fábio, pag. 71].

A mesma fé em Deus conduz uns à glória e outros à dor. Isso está para além de nosso entendimento. Tanto Enoque como Jó eram íntimos de Deus, e, exatamente por isso um foi arrebatado para o gozo eterno e o outro foi arremessado para longe do gozo terrestre. Diante de nossos olhos Enoque parece ter sido mais privilegiado que Jó, mas ninguém deve tirar tal conclusão. Ambos sempre foram amados por Deus e continuaram crescendo na graça e no conhecimento de Deus.

Por que Enoque escapou da morte e Jó foi alvejado pela…