Pular para o conteúdo principal

Idolatria Gospel

"Aborreço, desprezo as vossas festas e com as vossas assembléias solenes não tenho nenhum prazer. E, ainda que me ofereçais holocaustos e vossas ofertas de manjares, não me agradarei deles, nem atentarei para as ofertas pacíficas de vossos animais cevados. Afasta de mim o estrépito dos teus cânticos, porque não ouvirei as melodias das tuas liras. Antes, corra o juízo como as águas; e a justiça, como ribeiro perene" (Am 5.21-24).

A idolatria no meio evangélico é repugnante. Isso acontece com pregadores, com templos, com o nome da igreja e denominação (ministérios), com a Bíblia, e uma infinidade de outras coisas.

Quando a Bíblia diz: "Filhinhos, guardai-vos dos ídolos" (1Jo 5.21), ela não está falando apenas de "imagem de escultura", de ídolos de gesso, mas também de ídolos de carne e osso, de móveis, imóveis, dinheiro, e até mesmo de ídolos imagináveis.

Mas, o que me chamou a atenção para escrever este post foram as palavras da cantora gospel Nívea Soares. A princípio parece muito bom o que ela diz, porém, uma coisa me veio à mente enquanto a ouvia. Ela chora porque o povo de Deus não é mais o mesmo de dez anos atrás e que não gostaria de ver essa ênfase toda aos cantores. Mas, eu pergunto: Quem alimenta tudo isso? Eu respondo: Os próprios cantores. Pergunto ainda: Quem pode acabar rapidamente com esses shows idólatras? Eu respondo: Os próprios cantores. Não basta culpar o povo, pois são os "artistas evangélicos" que se alimentam e se enriquecem a custa de toda essa coisa condenável. Estou julgando? Não. Estou falando do óbvio, do que está explícito. E aqui lembro as palavras de Lutero: "Não se opor ao erro é aprová-lo, não defender a verdade é suprimí-la". Veja o vídeo:



Hoje mesmo o "Diante do Trono" está em Cuiabá. Veja o precinho do camarote:














É preciso acabar com tudo isso. Deixo aqui o meu repúdio a essa coisa feia.

Comentários

Anonymous disse…
Os valores estão se distorcendo. O centro está ficando de lado. Que pena! Não podemos nos calar. Quézia Linhares

Postagens mais visitadas deste blog

O conhecimento e suas implicações

"Quem come do fruto do conhecimento é sempre expulso de algum paraíso" (Melanie Klein). Não posso deixar de dizer duas coisinhas rápidas considerando o contexto dessas palavras de Melanie Klein: Nem todo conhecimento merece ser conhecido, sob pena de sermos expulsos do paraíso maravilhoso que nos acolhia mesmo não tendo o conhecimento que resulta na expulsão. Saber menos muitas vezes significa ser mais sábio. Por outro lado, o conhecimento abre nossos olhos e nos leva a romper com os limites de muitos paraísos. Às vezes nem precisamos decidir sair porque somos expulsos antes. Quando isso acontece quase sempre experimentamos a liberdade que não conhecíamos no paraíso que tanto valorizávamos. Cada um de nós deve discernir o que vale a pena conhecer e o que vale a pena ignorar. Ficar dentro ou fora do paraíso é uma decisão nossa. Mas é bom conhecer os valores e as implicações de nossas decisões, pois somos livres para escolher, mas não somos livres para escolher as consequênc…

A luta interior do pregador

Quem anuncia o Evangelho tem pés formosos, é um privilegiado; é assim que me sinto, e essa glória ninguém a tira de mim. Porém, ninguém conhece os conflitos interiores de um pregador senão ele mesmo. Quando chamado para libertar o povo de Israel do Egito, Moisés pediu que Deus enviasse outro porque ele se sentia desqualificado. Mas, o Senhor lhe disse: "Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar". E ele foi. Quando Deus convocou o profeta Jeremias, a reação dele foi: "ah! Senhor Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança". Mas o Senhor lhe disse: "Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás". Mais tarde Jeremias lamentou e chorou muitas vezes pelo seu ministério. Servia de escárnio todo dia diante do povo. Chegou ao ponto de pensar em parar de falar como pregador. Mas esse pensamento atingiu seu coração como um fogo ardente alcançando…

Jó e Enoque

"Jó é Enoque ao contrário (Gn 5.24). Enoque andou com Deus e foi arrebatado para não ver a morte. Jó anda com Deus e é esmagado até ver e sentir o hálito da morte. E ambos foram não apenas justificados pela mesma fé, mas também experimentaram o que experimentaram pela amizade com o mesmo Deus. Portanto, o que vale é: 'se subo aos céus, lá estás; se faço a minha cama no mais profundo abismo, lá estás também'" (Sl 139.8). [Enigma da Graça, Caio Fábio, pag. 71].

A mesma fé em Deus conduz uns à glória e outros à dor. Isso está para além de nosso entendimento. Tanto Enoque como Jó eram íntimos de Deus, e, exatamente por isso um foi arrebatado para o gozo eterno e o outro foi arremessado para longe do gozo terrestre. Diante de nossos olhos Enoque parece ter sido mais privilegiado que Jó, mas ninguém deve tirar tal conclusão. Ambos sempre foram amados por Deus e continuaram crescendo na graça e no conhecimento de Deus.

Por que Enoque escapou da morte e Jó foi alvejado pela…