Pular para o conteúdo principal

Quando o riacho seca

Para Rosa Graciela

O profeta de Deus muitas vezes sofre as consequências das profecias que faz. Elias profetizou que nem orvalho nem chuva cairiam em Israel por alguns anos. Em seguida Deus falou a Elias para que ele se escondesse à beira de um riacho de onde beberia e seria sustentado por corvos que por ordem de Deus lhe trariam comida pela manhã e ao anoitecer. Mas, depois de algum tempo o riacho secou.

Andar com Deus e fazer a sua vontade não garantem segurança e tranquilidade para ninguém. A obediência nos faz andar por caminhos difíceis e experimentar o que poderíamos evitar se andássemos por nossas próprias veredas. Isso certamente não quer dizer que seja melhor desobedecer a Deus, pelo contrário, as tribulações que nos advêm como resultado da obediência sempre nos faz bem. Além disso, não podemos esquecer que neste mundo todo riacho pode secar, mas a provisão de Deus jamais faltará.

Os riachos secam, as pessoas secam em seus afetos, em suas relações, mas o amor de Deus e o seu cuidado por nós jamais secam. As chuvas podem até parar, os riachos podem até secar, mas as chuvas voltarão a cair torrencialmente sobre a terra e os riachos de Deus têm vários formatos, coisas inimagináveis em nosso favor.

Quando o riacho secou, Deus mandou Elias ir para uma terra distante onde uma viúva lhe daria comida. Ele a encontrou preparando sua última refeição, porque a seca era geral na terra. A viúva foi obediente a Deus e deu o alimento que tinha para o profeta. Por causa disso sua comida se multiplicou e nunca faltou até que voltasse a chover e a vida se normalizasse. A obediência a Deus sempre abre portas para nós e para outros, mesmo quando a seca predomina sobre a terra. (Leia 1 Reis 17).

Jesus mencionou a experiência de Elias com a viúva (Lc 4.25-26). Ele mesmo vivia da ajuda de pobres e ricos (Lc 8.1-3; 21.1-4). Quando o riacho seca, Deus pode contar com o lanche de um rapaz (Jo 6.9), com a agulha de uma costureira (At 9.36-42), com a hospedaria de um curtidor de couro que os judeus desprezavam porque ele fazia tratamento de peles de animais mortos (At 9.43), com a solidariedade de um estrangeiro não religioso (Lc 10.25-37), com o profissionalismo e a amizade de um médico (Cl 4.14; 2Tm 4.11; Fm 24), com a generosidade de uma igreja (2Co 8.1-5), com você e comigo, com o que somos e temos.

Já tive que profetizar várias vezes que não ia mais chover, já tive que me esconder à beira de vários riachos, já recebi ajuda de várias viúvas pobres, já vi Deus cuidar de mim milagrosamente tantas vezes que não me assusta mais passar por estiagens e ver riachos secarem. Em meu céu sempre tem pássaros voando e a chuva sempre volta a cair, o que me faz confiar em Deus cada vez que muda a estação.

Comentários

Anonymous disse…
Amei esse texto. Ele nos traz esperança e confiança num Deus vivo, cuidadoso e fiel!

Postagens mais visitadas deste blog

O conhecimento e suas implicações

"Quem come do fruto do conhecimento é sempre expulso de algum paraíso" (Melanie Klein). Não posso deixar de dizer duas coisinhas rápidas considerando o contexto dessas palavras de Melanie Klein: Nem todo conhecimento merece ser conhecido, sob pena de sermos expulsos do paraíso maravilhoso que nos acolhia mesmo não tendo o conhecimento que resulta na expulsão. Saber menos muitas vezes significa ser mais sábio. Por outro lado, o conhecimento abre nossos olhos e nos leva a romper com os limites de muitos paraísos. Às vezes nem precisamos decidir sair porque somos expulsos antes. Quando isso acontece quase sempre experimentamos a liberdade que não conhecíamos no paraíso que tanto valorizávamos. Cada um de nós deve discernir o que vale a pena conhecer e o que vale a pena ignorar. Ficar dentro ou fora do paraíso é uma decisão nossa. Mas é bom conhecer os valores e as implicações de nossas decisões, pois somos livres para escolher, mas não somos livres para escolher as consequênc…

A luta interior do pregador

Quem anuncia o Evangelho tem pés formosos, é um privilegiado; é assim que me sinto, e essa glória ninguém a tira de mim. Porém, ninguém conhece os conflitos interiores de um pregador senão ele mesmo. Quando chamado para libertar o povo de Israel do Egito, Moisés pediu que Deus enviasse outro porque ele se sentia desqualificado. Mas, o Senhor lhe disse: "Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar". E ele foi. Quando Deus convocou o profeta Jeremias, a reação dele foi: "ah! Senhor Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança". Mas o Senhor lhe disse: "Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás". Mais tarde Jeremias lamentou e chorou muitas vezes pelo seu ministério. Servia de escárnio todo dia diante do povo. Chegou ao ponto de pensar em parar de falar como pregador. Mas esse pensamento atingiu seu coração como um fogo ardente alcançando…

Quando o pecado é acalentado

“Se eu no coração contemplara a vaidade, o Senhor não me teria ouvido” (Sl 66.18). O pecado nos assedia, nos cerca com a intenção de dominar, nos persegue com insistência, nos importuna. Somos atraídos ao pecado pelos nossos próprios desejos; e o pecado uma vez consumado, gera a morte. Mesmo sabendo disso, acalentamos o pecado como uma mãe que embala o seu filhinho para dormir. Quando isso acontece perdemos para o pecado, porque ele acontece dentro antes que fora de nós.
Devemos perder todo cinismo em relação ao pecado e tratá-lo com a dureza que a santidade de Deus requer. É uma luta que não acaba. Às vezes parece que já vencemos a tendência de errar, mas não demora e percebemos que somos propensos ao mal.
Não é sem razão que a Bíblia usa expressões fortes como: confessar, cortar, matar, negar, quando fala de nosso trato com o pecado. Não devemos acalentar jamais o pecado em nosso coração; ele quebra nossa comunhão com Deus, com as pessoas, e agita negativamente o nosso interior, provo…