Pular para o conteúdo principal

Destrua seu ídolo hoje mesmo

Durante a caminhada dos israelitas pelo deserto rumo à terra prometida - Canaã, o povo se tornou impaciente no caminho, e falou contra Deus e contra Moisés, reclamando das dificuldades, da falta de pão e da falta de água. Por causa disso Deus mandou entre o povo serpentes abrasadoras, que mordiam o povo; e morreram muitos. O povo veio a Moisés e reconheceu o seu pecado; pediram que Moisés orasse para que Deus tirasse as serpentes. Moisés orou e Deus mandou que ele fizesse uma serpente de bronze e a colocasse sobre uma haste, e todo mordido que a olhasse ficaria sarado (Nm 21.4-9).

Naquela circunstância, a serpente era um símbolo da misericórdia de Deus pelo povo. O Novo Testamento faz referência a esse fato comparando o ato no deserto com a morte de Jesus na cruz em nosso favor (Jo 3.14-15).

O problema foi que o povo passou a adorar a serpente, o que não teve a aprovação de Deus. Anos depois o rei Ezequias fez em pedaços a serpente de bronze que os filhos de Israel chamavam de Neustã, que quer dizer serpente de bronze (2Rs 18.4).

O apóstolo João escreveu: "Filhinhos, guardai-vos dos ídolos" (1Jo 5.21). Deus condena a idolatria, porque ela é uma forma de colocar alguma coisa no lugar de Deus em nossa adoração, e o Senhor não dá a sua glória a outrem, nem a sua honra, às imagens de escultura (Is 42.8).

Facilmente criamos ídolos em nossas vidas. Muitas vezes idolatramos coisas boas que em si mesmas não fazem nenhum mal, mas que idolatradas são reprováveis, não a coisa em si ou a pessoa objeto da idolatria, mas a atitude de quem assim procede. Você tem ídolos em sua vida. Você tem coragem de fazer como o rei Ezequias, destruir o ídolo que nunca deveria ter sido idolatrado?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O conhecimento e suas implicações

"Quem come do fruto do conhecimento é sempre expulso de algum paraíso" (Melanie Klein). Não posso deixar de dizer duas coisinhas rápidas considerando o contexto dessas palavras de Melanie Klein: Nem todo conhecimento merece ser conhecido, sob pena de sermos expulsos do paraíso maravilhoso que nos acolhia mesmo não tendo o conhecimento que resulta na expulsão. Saber menos muitas vezes significa ser mais sábio. Por outro lado, o conhecimento abre nossos olhos e nos leva a romper com os limites de muitos paraísos. Às vezes nem precisamos decidir sair porque somos expulsos antes. Quando isso acontece quase sempre experimentamos a liberdade que não conhecíamos no paraíso que tanto valorizávamos. Cada um de nós deve discernir o que vale a pena conhecer e o que vale a pena ignorar. Ficar dentro ou fora do paraíso é uma decisão nossa. Mas é bom conhecer os valores e as implicações de nossas decisões, pois somos livres para escolher, mas não somos livres para escolher as consequênc…

A luta interior do pregador

Quem anuncia o Evangelho tem pés formosos, é um privilegiado; é assim que me sinto, e essa glória ninguém a tira de mim. Porém, ninguém conhece os conflitos interiores de um pregador senão ele mesmo. Quando chamado para libertar o povo de Israel do Egito, Moisés pediu que Deus enviasse outro porque ele se sentia desqualificado. Mas, o Senhor lhe disse: "Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar". E ele foi. Quando Deus convocou o profeta Jeremias, a reação dele foi: "ah! Senhor Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança". Mas o Senhor lhe disse: "Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás". Mais tarde Jeremias lamentou e chorou muitas vezes pelo seu ministério. Servia de escárnio todo dia diante do povo. Chegou ao ponto de pensar em parar de falar como pregador. Mas esse pensamento atingiu seu coração como um fogo ardente alcançando…

Quando o pecado é acalentado

“Se eu no coração contemplara a vaidade, o Senhor não me teria ouvido” (Sl 66.18). O pecado nos assedia, nos cerca com a intenção de dominar, nos persegue com insistência, nos importuna. Somos atraídos ao pecado pelos nossos próprios desejos; e o pecado uma vez consumado, gera a morte. Mesmo sabendo disso, acalentamos o pecado como uma mãe que embala o seu filhinho para dormir. Quando isso acontece perdemos para o pecado, porque ele acontece dentro antes que fora de nós.
Devemos perder todo cinismo em relação ao pecado e tratá-lo com a dureza que a santidade de Deus requer. É uma luta que não acaba. Às vezes parece que já vencemos a tendência de errar, mas não demora e percebemos que somos propensos ao mal.
Não é sem razão que a Bíblia usa expressões fortes como: confessar, cortar, matar, negar, quando fala de nosso trato com o pecado. Não devemos acalentar jamais o pecado em nosso coração; ele quebra nossa comunhão com Deus, com as pessoas, e agita negativamente o nosso interior, provo…