Pular para o conteúdo principal

Quem é minha mãe?

Para Rosa Graciela.

Maria era uma moça virgem ainda adolescente quando o anjo Gabriel lhe apareceu, dizendo: “Alegra-te, muito favorecida! O Senhor é contigo”. Ao ouvir essa saudação, ela perturbou-se muito e procurava entender o sentido daquelas palavras. O anjo disse que ela não devia temer porque Deus tinha decido abençoá-la. Ela ficaria grávida e daria à luz um filho que se chamaria Jesus. O menino seria chamado Filho do Altíssimo Deus e ele reinaria para sempre. Maria não entendeu aquilo porque ela era uma virgem. O anjo disse que o Espírito Santo desceria sobre ela e o poder do Altíssimo a envolveria e ela ficaria grávida. Por isso, também é que o menino seria chamado Filho de Deus. Maria continuava não entendendo bem o que estava acontecendo, mas disse ao anjo: “Aqui está a serva do Senhor; que se cumpra em mim conforme a tua palavra”.

A atitude de Maria mostra o exemplo de uma pessoa completamente entregue à vontade de Deus. Ela se rendeu totalmente se entregando ao que Deus havia lhe falado pelo anjo. Ela correu sérios riscos ao aceitar aquela condição de ficar grávida do Espírito Santo, algo nunca antes conhecido. Maria morava numa pequena cidade chamada Nazaré e certamente seria o alvo da atenção de todos ao aparecer em público grávida antes de casar com José. Isso bastava para que ela recebesse todas as censuras possíveis, pior ainda quando dissesse que o pai da criança era o Espírito Santo. Mas ela assim fez, mostrando com isso ser de fato uma serva do Senhor. Ela submeteu sua vontade à vontade de Deus e arcou com as implicações dessa decisão.

Mas, cerca de trinta e poucos anos depois, Maria parece não ter entendido a missão de seu filho. Aliás, a família toda não aceitava aquele parente tão diferenciado, pois os próprios irmãos de Jesus não criam nele. Talvez a atitude dos vizinhos até tenham influenciado negativamente aos familiares de Jesus, porque logo que ele começou seu ministério público, aqueles que lhe viram crescer, disseram: “Não é este o carpinteiro, filho de Maria, irmão de Tiago, José, Judas e Simão? E não vivem aqui entre nós suas irmãs? E escandalizavam-se nele”. Quando a multidão afluiu para ele, seus parentes saíram para prendê-lo; porque diziam: Está fora de si.

Noutra ocasião, quando Jesus falava ao povo, sua mãe e seus irmãos estavam do lado de fora, procurando falar com ele. Alguém foi até onde Jesus se encontrava e falou que seus parentes estavam do lado de fora e queriam vê-lo. Então ele falou ao que lhe trouxera o recado: “Quem é minha mãe e quem são meus irmãos? E, estendendo a mão para os discípulos, disse: Eis minha mãe e meus irmãos. Porque qualquer que fizer a vontade de meu Pai celeste, esse é meu irmão, irmã e mãe”.

Aqui Jesus revela um nível de relação com ele que vai além do familiar. Até mesmo sua mãe, que o gerara, que num ato de fé e total rendição a Deus por ocasião do anúncio do anjo, agora se mantinha distante e não manteve aquela intimidade inicial com o Espírito do Senhor. Jesus mostra que sua família é feita daqueles que fazem a vontade de seu Pai celeste. Isso quer dizer que Jesus quer ser gerado todo dia em nós, e sempre que ele encontra um ventre disponível, ele nasce ali e sua família continua crescendo. A única maneira de ser parente de Jesus é fazendo a vontade do Pai.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O conhecimento e suas implicações

"Quem come do fruto do conhecimento é sempre expulso de algum paraíso" (Melanie Klein). Não posso deixar de dizer duas coisinhas rápidas considerando o contexto dessas palavras de Melanie Klein: Nem todo conhecimento merece ser conhecido, sob pena de sermos expulsos do paraíso maravilhoso que nos acolhia mesmo não tendo o conhecimento que resulta na expulsão. Saber menos muitas vezes significa ser mais sábio. Por outro lado, o conhecimento abre nossos olhos e nos leva a romper com os limites de muitos paraísos. Às vezes nem precisamos decidir sair porque somos expulsos antes. Quando isso acontece quase sempre experimentamos a liberdade que não conhecíamos no paraíso que tanto valorizávamos. Cada um de nós deve discernir o que vale a pena conhecer e o que vale a pena ignorar. Ficar dentro ou fora do paraíso é uma decisão nossa. Mas é bom conhecer os valores e as implicações de nossas decisões, pois somos livres para escolher, mas não somos livres para escolher as consequênc…

Quando o pecado é acalentado

“Se eu no coração contemplara a vaidade, o Senhor não me teria ouvido” (Sl 66.18). O pecado nos assedia, nos cerca com a intenção de dominar, nos persegue com insistência, nos importuna. Somos atraídos ao pecado pelos nossos próprios desejos; e o pecado uma vez consumado, gera a morte. Mesmo sabendo disso, acalentamos o pecado como uma mãe que embala o seu filhinho para dormir. Quando isso acontece perdemos para o pecado, porque ele acontece dentro antes que fora de nós.
Devemos perder todo cinismo em relação ao pecado e tratá-lo com a dureza que a santidade de Deus requer. É uma luta que não acaba. Às vezes parece que já vencemos a tendência de errar, mas não demora e percebemos que somos propensos ao mal.
Não é sem razão que a Bíblia usa expressões fortes como: confessar, cortar, matar, negar, quando fala de nosso trato com o pecado. Não devemos acalentar jamais o pecado em nosso coração; ele quebra nossa comunhão com Deus, com as pessoas, e agita negativamente o nosso interior, provo…

A luta interior do pregador

Quem anuncia o Evangelho tem pés formosos, é um privilegiado; é assim que me sinto, e essa glória ninguém a tira de mim. Porém, ninguém conhece os conflitos interiores de um pregador senão ele mesmo. Quando chamado para libertar o povo de Israel do Egito, Moisés pediu que Deus enviasse outro porque ele se sentia desqualificado. Mas, o Senhor lhe disse: "Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar". E ele foi. Quando Deus convocou o profeta Jeremias, a reação dele foi: "ah! Senhor Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança". Mas o Senhor lhe disse: "Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás". Mais tarde Jeremias lamentou e chorou muitas vezes pelo seu ministério. Servia de escárnio todo dia diante do povo. Chegou ao ponto de pensar em parar de falar como pregador. Mas esse pensamento atingiu seu coração como um fogo ardente alcançando…