Pular para o conteúdo principal

O mal que habita em mim

A Bíblia diz: “Ora, na vossa luta contra o pecado, ainda não tendes resistido até ao sangue” (Hb 12.4). Fica claro que lutar contra o nosso pecado é coisa séria, pois o pecado nos assedia como uma grande tesoura que procura a todo instante nos prender com suas hastes maléficas; ele fica nos rodeando como uma fera que busca uma oportunidade para nos atacar. Mais que isso, o pecado é como uma lei dentro de nós que sempre nos ordena a fazer o que não devemos fazer. O mal habita em nós e nos escraviza, até que conheçamos Jesus e andemos no Espírito. Quem assim procede, jamais satisfará os desejos da carne.

Kris Lundgaard disse: “Onde quer que você vá, o que quer que você faça, a lei do pecado está com você passo a passo - no que você fizer de melhor, no que você fizer de pior. Quantas vezes você pensa sobre o fato de que você carrega por aí, em você, um companheiro mortal?”. Para Jesus o nosso coração é uma fonte de pecado. Ele disse: “Porque do coração procedem maus desígnios, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos, blasfêmias” (Mt 15.19). O pecado é como as velas de aniversário que voltam a acender: você as assopra e ri, mas se assusta quando elas brilham em chamas novamente. Essa luta não tem trégua, pois não há acordo entre Deus e a nossa natureza pecaminosa: “Porque o pendor da carne dá para a morte, mas o do Espírito, para a vida e paz. Por isso, o pendor da carne é inimizade contra Deus, pois não está sujeito à lei de Deus, nem mesmo pode estar” (Rm 8.6-7; Gl 5.17). Quando a graça de Deus nos transforma, ela não transforma a natureza da carne. Ela a enfraquece e a fere mortalmente, mas, a sua desafiante malignidade permanece latente em nossa carne. Paulo escreveu: “Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?” (Rm 7.24).

Algumas pessoas querem aplacar os desejos da carne gratificando seus desejos. Isso é como apagar fogo com gasolina. O pecado nunca deixa a carne satisfeita. Ela sempre quer mais. Não devemos oferecer nada para a carne (Rm 13.14). A Bíblia diz: “Exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje, a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado” (Hb 3.13). Quando a carne nos engana, pecamos. Tudo o que o pecado nos fizer acreditar, acabará em morte. O pecado não gera vida, ele sempre nos conduz ao fracasso.

A boa notícia é que “se confessarmos os nossos pecados, ele (Deus) é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça” (1 Jo 1.9). Mas, a luta contra o pecado continua – ela é permanente. Quando faço a barba, minha esposa às vezes comenta que fica gostoso passar seu rosto no meu, pois fico com a pele macia. Só que no dia seguinte a pele já não é tão macia porque a barba voltou a crescer e preciso fazê-la novamente. Assim é o pecado. Depois de cometê-lo e confessá-lo, nos sentimos “macios” espiritualmente, mas logo nos vemos espinhentos com novas manifestações de pecado.

Quando eu era menino, meu sonho de consumo era poder consumir uma lata de leite condensado sozinho. Um dia, praticando o meu pecado, furtei o que hoje seria mais ou menos R$ 10,00 (dez reais) do bolso de alguém de nossa casa e fui comprar minha sonhada lata de leite. Furei a lata e dei uma chupada demorada que até doeu na garganta. Que delícia! Mas percebi que a segunda chupada já não era mais tão gostosa, e assim por diante. O pecado é assim. No ato da consumação ele é doce, mas logo fica amargo dentro de nós. Quem pode explicar como uma linda goiaba ao ser mordida mostra um bichinho andando lá dentro dela mesmo não tendo um só ferimento na fruta? O pecado é assim, podemos parecer limpos e moralmente irrepreensíveis, mas o bichinho do pecado está lá, ou cá, dentro de nós.

Mas, a Bíblia diz que “Deus tornou pecado por nós aquele que não tinha pecado (Jesus), para que nele nos tornássemos justiça de Deus” (2Co 5.21). Quando o apóstolo Paulo perguntou: “Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?” Ele mesmo respondeu: “Graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor”. Na cruz do Calvário Jesus resolveu diante de Deus nosso problema de pecado. Quando confiamos nossas vidas a Jesus ele nos perdoa de todos os pecados do passado, do presente, e do futuro. Deixamos de ser inimigos e nos tornamos amigos de Deus com pleno acesso à sua comunhão. Isso aqui e agora e por fim estaremos para sempre com ele. Tudo isso acontece pela fé e não por obras meritórias de nossa parte. Isso está ao seu alcance agora mesmo tanto quanto para mim. Você crê nisto?

Mas, a luta contra o mal dentro de nós continua, porque o pecado é mal incutido, na cruz foi resolvido, mas que ainda nos deixa feridos. A diferença é que “todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado; pois o que permanece nele é a divina semente; ora, esse não pode viver pecando, porque é nascido de Deus” (1Jo 3.9). O Espírito Santo habita o crente e o capacita a vencer o pecado. Mas a luta contra o pecado é constante, é como um cachorro bravo amarrado; longe dele estamos fora de perigo, mas se nos aproximarmos ele morde. O problema é que o cachorro está dentro de nós. É preciso enfrentar a fera pela fé em Jesus, fazendo morrer todo dia nossa natureza pecaminosa. É um desafio, mas é possível, pois em Cristo somos mais que vencedores.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O conhecimento e suas implicações

"Quem come do fruto do conhecimento é sempre expulso de algum paraíso" (Melanie Klein). Não posso deixar de dizer duas coisinhas rápidas considerando o contexto dessas palavras de Melanie Klein: Nem todo conhecimento merece ser conhecido, sob pena de sermos expulsos do paraíso maravilhoso que nos acolhia mesmo não tendo o conhecimento que resulta na expulsão. Saber menos muitas vezes significa ser mais sábio. Por outro lado, o conhecimento abre nossos olhos e nos leva a romper com os limites de muitos paraísos. Às vezes nem precisamos decidir sair porque somos expulsos antes. Quando isso acontece quase sempre experimentamos a liberdade que não conhecíamos no paraíso que tanto valorizávamos. Cada um de nós deve discernir o que vale a pena conhecer e o que vale a pena ignorar. Ficar dentro ou fora do paraíso é uma decisão nossa. Mas é bom conhecer os valores e as implicações de nossas decisões, pois somos livres para escolher, mas não somos livres para escolher as consequênc…

A luta interior do pregador

Quem anuncia o Evangelho tem pés formosos, é um privilegiado; é assim que me sinto, e essa glória ninguém a tira de mim. Porém, ninguém conhece os conflitos interiores de um pregador senão ele mesmo. Quando chamado para libertar o povo de Israel do Egito, Moisés pediu que Deus enviasse outro porque ele se sentia desqualificado. Mas, o Senhor lhe disse: "Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar". E ele foi. Quando Deus convocou o profeta Jeremias, a reação dele foi: "ah! Senhor Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança". Mas o Senhor lhe disse: "Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás". Mais tarde Jeremias lamentou e chorou muitas vezes pelo seu ministério. Servia de escárnio todo dia diante do povo. Chegou ao ponto de pensar em parar de falar como pregador. Mas esse pensamento atingiu seu coração como um fogo ardente alcançando…

Quando o pecado é acalentado

“Se eu no coração contemplara a vaidade, o Senhor não me teria ouvido” (Sl 66.18). O pecado nos assedia, nos cerca com a intenção de dominar, nos persegue com insistência, nos importuna. Somos atraídos ao pecado pelos nossos próprios desejos; e o pecado uma vez consumado, gera a morte. Mesmo sabendo disso, acalentamos o pecado como uma mãe que embala o seu filhinho para dormir. Quando isso acontece perdemos para o pecado, porque ele acontece dentro antes que fora de nós.
Devemos perder todo cinismo em relação ao pecado e tratá-lo com a dureza que a santidade de Deus requer. É uma luta que não acaba. Às vezes parece que já vencemos a tendência de errar, mas não demora e percebemos que somos propensos ao mal.
Não é sem razão que a Bíblia usa expressões fortes como: confessar, cortar, matar, negar, quando fala de nosso trato com o pecado. Não devemos acalentar jamais o pecado em nosso coração; ele quebra nossa comunhão com Deus, com as pessoas, e agita negativamente o nosso interior, provo…