Pular para o conteúdo principal

Balido e mugido

Desde Adão e Eva tentamos esconder os nossos pecados de Deus, das pessoas e até de nós mesmos. Não adianta, pois “o vosso pecado vos há de achar” (Nm 32.23). O nosso pecado é um flagrante diante de Deus e ele nos incomoda interiormente até que dele nos livremos. O pecado é doce na boca e amargo no estômago. “O que encobre as suas transgressões jamais prosperará; mas o que as confessa e deixa alcançará misericórdia” (Pv 28.13). A Bíblia nos ensina a odiar o pecado sempre.

O profeta Samuel por ordem de Deus mandou que o rei Saul destruísse totalmente o povo amalequita sem nada lhe poupar, porque este dificultou a passagem de Israel pelo deserto quando o mesmo saiu do Egito (1 Sm 15). Saul convocou duzentos e dez mil homens para essa tarefa. Ele destruiu toda coisa vil e desprezível, mas poupou o rei, e o melhor das ovelhas e dos bois, e os animais gordos, e os cordeiros, e o melhor que havia. Isso fez com que Deus impedisse Saul de continuar como rei.

Quando Samuel veio ao encontro de Saul para anunciar essa decisão divina, o rei o saúda dizendo ter cumprido a ordem de Deus. “Então, disse Samuel: Que balido, pois, de ovelhas é este nos meus ouvidos e o mugido de bois que ouço?” Saul apresentou justificativas inaceitáveis e ouviu de Samuel que para Deus o obedecer é melhor do que o sacrificar. A rebelião de Saul foi como o pecado de feitiçaria e sua obstinação como idolatria. Ele admitiu ter pecado e atendido à voz do povo e não à palavra de Deus.

Observamos aqui que a obediência parcial não agrada a Deus, que nossas melhores ofertas não lhe agradam quando as mesmas antes foram rejeitadas pelo Senhor. Notamos também que o balido e o mugido de nossos pecados vão nos denunciar mais cedo ou mais tarde. Por isso, hoje é oportuno considerar: Há algum balido ou mugido ecoando em minha consciência?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O conhecimento e suas implicações

"Quem come do fruto do conhecimento é sempre expulso de algum paraíso" (Melanie Klein). Não posso deixar de dizer duas coisinhas rápidas considerando o contexto dessas palavras de Melanie Klein: Nem todo conhecimento merece ser conhecido, sob pena de sermos expulsos do paraíso maravilhoso que nos acolhia mesmo não tendo o conhecimento que resulta na expulsão. Saber menos muitas vezes significa ser mais sábio. Por outro lado, o conhecimento abre nossos olhos e nos leva a romper com os limites de muitos paraísos. Às vezes nem precisamos decidir sair porque somos expulsos antes. Quando isso acontece quase sempre experimentamos a liberdade que não conhecíamos no paraíso que tanto valorizávamos. Cada um de nós deve discernir o que vale a pena conhecer e o que vale a pena ignorar. Ficar dentro ou fora do paraíso é uma decisão nossa. Mas é bom conhecer os valores e as implicações de nossas decisões, pois somos livres para escolher, mas não somos livres para escolher as consequênc…

A luta interior do pregador

Quem anuncia o Evangelho tem pés formosos, é um privilegiado; é assim que me sinto, e essa glória ninguém a tira de mim. Porém, ninguém conhece os conflitos interiores de um pregador senão ele mesmo. Quando chamado para libertar o povo de Israel do Egito, Moisés pediu que Deus enviasse outro porque ele se sentia desqualificado. Mas, o Senhor lhe disse: "Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar". E ele foi. Quando Deus convocou o profeta Jeremias, a reação dele foi: "ah! Senhor Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança". Mas o Senhor lhe disse: "Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás". Mais tarde Jeremias lamentou e chorou muitas vezes pelo seu ministério. Servia de escárnio todo dia diante do povo. Chegou ao ponto de pensar em parar de falar como pregador. Mas esse pensamento atingiu seu coração como um fogo ardente alcançando…

Quando o pecado é acalentado

“Se eu no coração contemplara a vaidade, o Senhor não me teria ouvido” (Sl 66.18). O pecado nos assedia, nos cerca com a intenção de dominar, nos persegue com insistência, nos importuna. Somos atraídos ao pecado pelos nossos próprios desejos; e o pecado uma vez consumado, gera a morte. Mesmo sabendo disso, acalentamos o pecado como uma mãe que embala o seu filhinho para dormir. Quando isso acontece perdemos para o pecado, porque ele acontece dentro antes que fora de nós.
Devemos perder todo cinismo em relação ao pecado e tratá-lo com a dureza que a santidade de Deus requer. É uma luta que não acaba. Às vezes parece que já vencemos a tendência de errar, mas não demora e percebemos que somos propensos ao mal.
Não é sem razão que a Bíblia usa expressões fortes como: confessar, cortar, matar, negar, quando fala de nosso trato com o pecado. Não devemos acalentar jamais o pecado em nosso coração; ele quebra nossa comunhão com Deus, com as pessoas, e agita negativamente o nosso interior, provo…