Pular para o conteúdo principal

Sou crente, não sou evangélico

Palavras são palavras e não têm vida em si mesmas, senão o significado que lhes emprestamos. As mesmas palavras podem ter sentidos diferentes conforme a época, o local ou a cultura. As palavras se desgastam ao longo do tempo; muitas vezes não dizem o que queremos ou deixam de significar o que diziam antes. Quero com isso considerar duas palavras: crente e evangélico. Não quero polemizar, mas quero esclarecer e influenciar com o Evangelho de Jesus Cristo. A palavra “evangélico” não aparece na Bíblia. Com isso não estou dizendo que ela não tem procedência. Os seguidores de Jesus são chamados cristãos, crentes, santos, e discípulos.

Então, o que é ser evangélico? Subtende-se que um evangélico é alguém que crê no Evangelho e que crê na salvação em Jesus, conforme a graça revelada em Cristo. Neste sentido eu sou evangélico, os discípulos eram evangélicos, os primeiros cristãos eram evangélicos e, existem muitos evangélicos assim em nossos dias. Mas, não é esse o sentido de evangélico conforme conhecemos hoje.

O “evangélico” de hoje em dia é uma pessoa indefinível. Tem de A a Z para todos os gostos, com todas as variações e contradições imagináveis. O “evangélico” entre aspas diz que crê em Jesus mas não pode nem imaginar chegar ao céu sem a mediação da “Igreja Evangélica”. Esse pessoal se denomina povo de Deus. Quem pertence a uma “igreja evangélica” é de Deus, quem está fora, é do mundo, do diabo, está perdido, vai para o inferno. É com essas categorias que os “evangélicos” pensam.

Se pertencer a uma “igreja evangélica” fosse o mesmo que crê e andar conforme o Evangelho de Jesus, tudo bem. Mas, não é assim que funciona. A questão passa pela institucionalização da fé, as tradições denominacionais, as doutrinas dos homens, os regimentos internos, e os estatutos reguladores da conduta de seus membros. Entre eles não basta crê para ser membro da igreja, é preciso andar conforme a cartilha deles.

Sou crente, não sou “evangélico”. O Novo Testamento usa várias vezes a palavra crente para mencionar aqueles que aceitam o Evangelho e passam a viver com a liberdade adquirida por Cristo na cruz; vivem em comunhão com outros crentes, mas não se enclausuram em sistemas religiosos regidos por regras fúteis que nada oferecem.

Veja algumas referências bíblicas acerca dos crentes. (Versão Almeida Revista e Atualizada da Sociedade Bíblica do Brasil):

“E quem fizer tropeçar a um destes pequeninos crentes, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma grande pedra de moinho, e fosse lançado no mar” (Mc 9.42).

“E logo disse a Tomé: Põe aqui o dedo e vê as minhas mãos; chega também a mão e põe-na no meu lado; não sejas incrédulo, mas crente” (Jo 20.27).

“E crescia mais e mais a multidão de crentes, tanto homens como mulheres, agregados ao Senhor” (At 5.14).

“Chegou também a Derbe e a Listra. Havia ali um discípulo chamado Timóteo, filho de uma judia crente, mas de pai grego” (At 16.1).

“Porque o marido incrédulo é santificado no convívio da esposa, e a esposa incrédula é santificada no convívio do marido crente. Doutra sorte, os vossos filhos seriam impuros; porém, agora, são santos” (1Co 7.14).

“Que harmonia, entre Cristo e o Maligno? Ou que união, do crente com o incrédulo?” (2Co 6.15).

“De modo que os da fé são abençoados com o crente Abraão” (Gl 3.9).

“Se alguma crente tem viúvas em sua família, socorra-as, e não fique sobrecarregada a igreja, para que esta possa socorrer as que são verdadeiramente viúvas” (1Tm 5.16).

Comentários

Carlos Bastos disse…
Prezado irmão, Pr.Antônio, graça e paz em Jesus , Nosso Senhor. Li seu artigo "Crente ou Evangélico". Gostei! De fato na Bíblia não tem o termo evangélico, mas tem o feminino dele. Em Fp. 1.27 Paulo fala para lutarmos juntos pela fé evangélica. Creio que esta fé Evangélica, não é a fé Espírita, nem a Católica que são muito difundidas em nosso Brasil e nem tem a ver com os absurdos "evangélicos" por todo lugar. Jesus disse que o joio cresceria junto ao trigo... não conformamos com isso, né? Mas, infelizmente é a realidade, percebo que alguns dos pastores ou líderes de igrejas locais que já se "levantaram contra" suas denominações ou instituições e formaram "comunidades" ou igrejas "não institucionalizadas" simplesmente com o tempo, viraram instituições. Veja a igreja ortodoxa russa (Se separou da católica) no ano 1.000 dc; Lutero 1517?; Caio Fábio (1998/9)(Esses dias eu li um Email dele aos membros de sua "comunidade" aqui em Bsa "reclamando? ou puxando a orelha do povo de leve?!" porque muitos tinham deixado de ir à reunião de sua igreja num certo domingo, porque não seria ele o pregador, devido uma viagem, e que muitos haviam deixado de contribuir para o pagamento das despesas do ministério...); lembra do pr. de Goiânia da ICE da Fama, o Sinomar? Sua igreja "Luz para os povos" já teve várias divisões em Goiânia, inclusive tem uma muito maior do que a dele (Videira)...Vemos que são muitos os exemplos. As divisões da igrejas de Jesus são lamentáveis. Mas, o mais importante é nós sabermos que a igreja de Jesus, suas ovelhas , só ele as conhece. Ele vai arrebatar somente as suas ovelhas. Nós temos que anunciar o Evangelho para que o povo tenha uma Fé genuinamente evangélica, para que o povo seja de fato Cristão Evangélico!
Abraços em você e Rosângela.
Fique na paz de Jesus, Nosso Senhor!
Meu querido Carlos Bastos,

Obrigado por ler o que tenho escrito e por seus comentários.

Meu texto "sou crente, não sou evangélico" não está interessado em tratar de etimologia de palavras, mas com o sentido prático do que essas palavras representam. Para mim a igreja evangélica no Brasil caducou mesmo. Se por um lado tem as exageradas neopentecostais que vão aos extremos das crendices e do folclore eclesiástico, por outro lado tem as denominações históricas, como a ICEB, que é biblicamente "saudável", mas que se enrosca na institucionalização, no formalismo, nos atos pastorais infundados, nos estatutos e regimentos internos que na prática têm a mesma autoridade da Bíblia.

Eu confesso para você que cansei desse sistema estéreo que é mais sistemático que pragmático. Exatamente nesta semana completamos um ano de nossa COMUNIDADE DO CAMINHO. Um de meus propósitos é não sistematizar. Se você ler nosso blog www.comunidadedocaminho.com.br vai perceber isso. Temos alcançado pessoas para Jesus que nunca seriam aceitas pela "igreja evangélica". É uma pena, mas é assim que a igreja evangélica é. Se não houver coragem, discernimento e decisão para romper com tudo isso que está aí, a gente fica cego por toda a vida na gaiola da religião evangélica.

Continue escrevendo. Tomara que você não seja como tantos que só amam os que lhes amam conforme o denominacionalismo. E ainda se orgulham dizendo que os que saíram é porque não eram dos deles. Portanto, estavam errados. Que pena que a palavra de Marx é uma triste verdade entre os evangélicos: "A religião é o ópio dos povos".

Um grande abraço para você e para Débora.

Antonio Francisco.

Postagens mais visitadas deste blog

O conhecimento e suas implicações

"Quem come do fruto do conhecimento é sempre expulso de algum paraíso" (Melanie Klein). Não posso deixar de dizer duas coisinhas rápidas considerando o contexto dessas palavras de Melanie Klein: Nem todo conhecimento merece ser conhecido, sob pena de sermos expulsos do paraíso maravilhoso que nos acolhia mesmo não tendo o conhecimento que resulta na expulsão. Saber menos muitas vezes significa ser mais sábio. Por outro lado, o conhecimento abre nossos olhos e nos leva a romper com os limites de muitos paraísos. Às vezes nem precisamos decidir sair porque somos expulsos antes. Quando isso acontece quase sempre experimentamos a liberdade que não conhecíamos no paraíso que tanto valorizávamos. Cada um de nós deve discernir o que vale a pena conhecer e o que vale a pena ignorar. Ficar dentro ou fora do paraíso é uma decisão nossa. Mas é bom conhecer os valores e as implicações de nossas decisões, pois somos livres para escolher, mas não somos livres para escolher as consequênc…

A luta interior do pregador

Quem anuncia o Evangelho tem pés formosos, é um privilegiado; é assim que me sinto, e essa glória ninguém a tira de mim. Porém, ninguém conhece os conflitos interiores de um pregador senão ele mesmo. Quando chamado para libertar o povo de Israel do Egito, Moisés pediu que Deus enviasse outro porque ele se sentia desqualificado. Mas, o Senhor lhe disse: "Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar". E ele foi. Quando Deus convocou o profeta Jeremias, a reação dele foi: "ah! Senhor Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança". Mas o Senhor lhe disse: "Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás". Mais tarde Jeremias lamentou e chorou muitas vezes pelo seu ministério. Servia de escárnio todo dia diante do povo. Chegou ao ponto de pensar em parar de falar como pregador. Mas esse pensamento atingiu seu coração como um fogo ardente alcançando…

Quando o pecado é acalentado

“Se eu no coração contemplara a vaidade, o Senhor não me teria ouvido” (Sl 66.18). O pecado nos assedia, nos cerca com a intenção de dominar, nos persegue com insistência, nos importuna. Somos atraídos ao pecado pelos nossos próprios desejos; e o pecado uma vez consumado, gera a morte. Mesmo sabendo disso, acalentamos o pecado como uma mãe que embala o seu filhinho para dormir. Quando isso acontece perdemos para o pecado, porque ele acontece dentro antes que fora de nós.
Devemos perder todo cinismo em relação ao pecado e tratá-lo com a dureza que a santidade de Deus requer. É uma luta que não acaba. Às vezes parece que já vencemos a tendência de errar, mas não demora e percebemos que somos propensos ao mal.
Não é sem razão que a Bíblia usa expressões fortes como: confessar, cortar, matar, negar, quando fala de nosso trato com o pecado. Não devemos acalentar jamais o pecado em nosso coração; ele quebra nossa comunhão com Deus, com as pessoas, e agita negativamente o nosso interior, provo…