Pular para o conteúdo principal

O Filho Pródigo

A parábola do filho pródigo é bem conhecida (Lc 15.11-32), e pela primeira vez me identifico com ela. Vejo no texto o que não via antes, mesmo tendo pregado seguidamente sobre o mesmo. A parábola revela vários aspectos de nossa vida, sobretudo, mostra o amor do Pai celeste pelo filho que se foi, mas que não deixou de ser, e também amor pelo filho que ficou, e nunca aprendeu a ser o que devia ser.

Eu sou o filho pródigo quando vejo que minha intimidade com o pai é tão pequena; sou o filho pródigo, quando tenho pressa em sair da casa do pai. Cansado dessa casa quero algo diferente. Pouco posso levar e pouco fica. Sair parece ser a única maneira de entrar de vez onde nunca entrei e de onde nunca deveria sair. A vida só é cristã, se tiver entrada e saída (Jo 10.9). Quero sair para entrar.

Sou o filho pródigo, quando a sensação de ir para longe me faz bem. Estou procurando um lar definitivo que ainda não encontrei, mesmo estando na casa do Pai. Depois de vinte anos no mesmo lugar, é impossível continuar como antes. Eu tenho medos, preciso ser amado e valorizado. Quero ir para longe da casa do pai em busca disso. Sou um solitário na casa do Pai, pois tenho pouco em comum com os demais. Preciso olhar de longe o que não vejo de perto? E quando voltar de longe, o que verei? O que quero, ou o que é? Verei.

Eu sou o filho pródigo quando caiu em si em meio aos porcos e reconheceu que era filho. Mas ao mesmo tempo me vejo querendo voltar para casa como servo para compensar com serviço minha rebeldia. Sou como o filho pródigo, que teme voltar para casa e encontrar festa e rejeição. Mas preciso me tornar como criança (Mt 18.3) e aceitar o amor do Pai que não quer explicações, quer a mim.

O que escrevi acima expressa meus sentimentos em relação ao pastorado de vinte anos. Estava em crise, não vocacional, mas relacional. Isso aconteceu há dois anos e vejo hoje com mais clareza o que estava por trás de tudo aquilo. Na verdade, parte do meu problema foi confundir a gaiola da religião com a casa do Pai que não é um sistema nem um templo (prédio), mas uma família de fé, o que nunca tive naquele período.

Graças a Deus que a casa do Pai não depende do desejo dos irmãos que nunca saem da casa, mas que nunca aprendem a ser filhos. A diferença é feita pelo amor do Pai que vai ao encontro do filho pródigo que vem ainda longe; pois, dependendo dos irmãos que ficaram o pródigo teria morrido longe de casa, ou seja, da instituição.

Muitas vezes fiquei triste com a atitude dos irmãos, pela recepção fria e pelo modo como me trataram. Mas, hoje louvo ao meu Pai porque me fez entender mais que nunca antes, que a casa do Pai não tem endereço; ela é o ambiente da vivência com o Pai e com todos aqueles que são, não apenas que estão na casa da religião.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O conhecimento e suas implicações

"Quem come do fruto do conhecimento é sempre expulso de algum paraíso" (Melanie Klein). Não posso deixar de dizer duas coisinhas rápidas considerando o contexto dessas palavras de Melanie Klein: Nem todo conhecimento merece ser conhecido, sob pena de sermos expulsos do paraíso maravilhoso que nos acolhia mesmo não tendo o conhecimento que resulta na expulsão. Saber menos muitas vezes significa ser mais sábio. Por outro lado, o conhecimento abre nossos olhos e nos leva a romper com os limites de muitos paraísos. Às vezes nem precisamos decidir sair porque somos expulsos antes. Quando isso acontece quase sempre experimentamos a liberdade que não conhecíamos no paraíso que tanto valorizávamos. Cada um de nós deve discernir o que vale a pena conhecer e o que vale a pena ignorar. Ficar dentro ou fora do paraíso é uma decisão nossa. Mas é bom conhecer os valores e as implicações de nossas decisões, pois somos livres para escolher, mas não somos livres para escolher as consequênc…

A luta interior do pregador

Quem anuncia o Evangelho tem pés formosos, é um privilegiado; é assim que me sinto, e essa glória ninguém a tira de mim. Porém, ninguém conhece os conflitos interiores de um pregador senão ele mesmo. Quando chamado para libertar o povo de Israel do Egito, Moisés pediu que Deus enviasse outro porque ele se sentia desqualificado. Mas, o Senhor lhe disse: "Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar". E ele foi. Quando Deus convocou o profeta Jeremias, a reação dele foi: "ah! Senhor Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança". Mas o Senhor lhe disse: "Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás". Mais tarde Jeremias lamentou e chorou muitas vezes pelo seu ministério. Servia de escárnio todo dia diante do povo. Chegou ao ponto de pensar em parar de falar como pregador. Mas esse pensamento atingiu seu coração como um fogo ardente alcançando…

Jó e Enoque

"Jó é Enoque ao contrário (Gn 5.24). Enoque andou com Deus e foi arrebatado para não ver a morte. Jó anda com Deus e é esmagado até ver e sentir o hálito da morte. E ambos foram não apenas justificados pela mesma fé, mas também experimentaram o que experimentaram pela amizade com o mesmo Deus. Portanto, o que vale é: 'se subo aos céus, lá estás; se faço a minha cama no mais profundo abismo, lá estás também'" (Sl 139.8). [Enigma da Graça, Caio Fábio, pag. 71].

A mesma fé em Deus conduz uns à glória e outros à dor. Isso está para além de nosso entendimento. Tanto Enoque como Jó eram íntimos de Deus, e, exatamente por isso um foi arrebatado para o gozo eterno e o outro foi arremessado para longe do gozo terrestre. Diante de nossos olhos Enoque parece ter sido mais privilegiado que Jó, mas ninguém deve tirar tal conclusão. Ambos sempre foram amados por Deus e continuaram crescendo na graça e no conhecimento de Deus.

Por que Enoque escapou da morte e Jó foi alvejado pela…