Pular para o conteúdo principal

Sem melindres

Ser melindroso (facilidade de se ofender) é uma clara manifestação de imaturidade e carência emocional. A melindrice pode ser resultado de uma criação deformada numa família disfuncional. Escrevo sobre isso porque me parece ser cada vez mais comum encontrar pessoas melindrosas, e hipersensíveis, como se estivessem com os nervos expostos. Quando isso acontece entre os "crentes", a situação se agrava. Mas, é isso o que acontece. Enquanto meditava sobre isso, me veio à mente o texto bíblico de Gálatas 4.1-11, onde o apóstolo Paulo chama a atenção das igrejas da Galácia para o viver adulto na fé em Jesus.

Antes de conhecermos a nova vida em Cristo, éramos como crianças filhas de um pai rico, herdeiras de tudo, mas sem usufruir de nada, por sermos menores. Mas, quando conhecemos a Cristo, nos tornamos filhos adultos com direito a tudo o que pertence ao Pai. Em outras palavras, na família da fé não há lugar para meninice.

A Bíblia chama o começo da vida cristã de novo nascimento (Jo 3.1-7) e nos compara com crianças no início da vida, assim como o é na vida biológica. Somos estimulados a desejar ardentemente, como crianças recém-nascidas, o genuíno leite espiritual, para que, por ele, nos seja dado crescimento para salvação (1Pe 2.2). Devemos crescer na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo (2Pe 3.18); devemos desenvolver a nossa salvação (Fp 2.12), buscando a maturidade e o aperfeiçoamento espiritual (Ef 4.11-16). Esse é o processo do crescimento, ir da infância para a maturidade na vida adulta.

Mas, o que estou enfatizando aqui, é a nossa condição de filhos de Deus com direitos de filhos adultos, herdeiros de todas as coisas do Pai. Mesmo levando em conta o processo do crescimento citado no parágrafo anterior, entramos na vida cristã como filhos adultos e não como bebês desprovidos dos direitos práticos do que o Pai nos dá.

Porém, é aqui que encontramos um dilema. É muito bom saber que entramos na vida cristã com direitos de filhos adultos, mas ninguém pode suprimir o processo do crescimento rumo à maturidade. É aqui que a igreja tem falhado desde o princípio. O apóstolo Paulo disse aos cristãos de Corinto: “Eu, porém, irmãos, não vos pude falar como a espirituais, e sim como a carnais, como a crianças em Cristo” (1Co 3.1). O autor da carta aos Hebreus escreveu: “A esse respeito temos muitas coisas que dizer e difíceis de explicar, porquanto vos tendes tornado tardios em ouvir. Pois, com efeito, quando devíeis ser mestres, atendendo ao tempo decorrido, tendes, novamente, necessidade de alguém que vos ensine, de novo, quais são os princípios elementares dos oráculos de Deus; assim, vos tornastes como necessitados de leite e não de alimento sólido” (Hb 5.11-12). A igreja tem sido lenta no processo da maturidade ao longo dos séculos. Essa lentidão expõe um problema comum na igreja evangélica: o melindre, a facilidade de ficar magoado. A maioria dos problemas dentro das igrejas acontece na área dos relacionamentos. É assim devido a imaturidade emocional entre as pessoas.

Paulo disse: “Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, pensava como menino; quando cheguei a ser homem, desisti das coisas próprias de menino” (1Co 13.11). Os meninos falam muito, mas não têm profundidade no que dizem. Os meninos são muito sensíveis; tanto se alegram como se entristecem fácil. Eles também pensam muitas coisas que não procedem. Assim são muitos que confessam serem de Jesus. Falam o que não convêm, são sentimentalistas, e têm um pensamento raso acerca dos valores espirituais.

Paulo disse: “... quando cheguei a ser homem, desisti das coisas próprias de menino”. Precisamos amadurecer emocionalmente. Chega de melindres. Eu também já sofri muito desse mal infantilista. Deus tem me dado a graça de conviver com as contrariedades sem perder as estribeiras no galope da vida. Devemos amar a todos sem depender emocionalmente de ninguém e sem sufocar os outros com nossos interesses.

A grande lição que Deus me deu ao deixar a instituição evangélica para caminhar com a comunidade itinerante dos que andam com Jesus na liberdade da fé sem religião, foi que “cada um de nós dará contas de si mesmo a Deus” (Rm 14.12). Cada um é livre para viver como quiser. A igreja não deve pautar a vida de ninguém como tem feito com multidões ao longo dos séculos. Cada um vive conforme sua consciência no evangelho. Quando os discípulos quiseram arrancar o joio, Jesus lhes disse que esperassem pela colheita final (Mt 13). Esse é um tempo de inclusão, não de exclusão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O conhecimento e suas implicações

"Quem come do fruto do conhecimento é sempre expulso de algum paraíso" (Melanie Klein). Não posso deixar de dizer duas coisinhas rápidas considerando o contexto dessas palavras de Melanie Klein: Nem todo conhecimento merece ser conhecido, sob pena de sermos expulsos do paraíso maravilhoso que nos acolhia mesmo não tendo o conhecimento que resulta na expulsão. Saber menos muitas vezes significa ser mais sábio. Por outro lado, o conhecimento abre nossos olhos e nos leva a romper com os limites de muitos paraísos. Às vezes nem precisamos decidir sair porque somos expulsos antes. Quando isso acontece quase sempre experimentamos a liberdade que não conhecíamos no paraíso que tanto valorizávamos. Cada um de nós deve discernir o que vale a pena conhecer e o que vale a pena ignorar. Ficar dentro ou fora do paraíso é uma decisão nossa. Mas é bom conhecer os valores e as implicações de nossas decisões, pois somos livres para escolher, mas não somos livres para escolher as consequênc…

A luta interior do pregador

Quem anuncia o Evangelho tem pés formosos, é um privilegiado; é assim que me sinto, e essa glória ninguém a tira de mim. Porém, ninguém conhece os conflitos interiores de um pregador senão ele mesmo. Quando chamado para libertar o povo de Israel do Egito, Moisés pediu que Deus enviasse outro porque ele se sentia desqualificado. Mas, o Senhor lhe disse: "Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar". E ele foi. Quando Deus convocou o profeta Jeremias, a reação dele foi: "ah! Senhor Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança". Mas o Senhor lhe disse: "Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás". Mais tarde Jeremias lamentou e chorou muitas vezes pelo seu ministério. Servia de escárnio todo dia diante do povo. Chegou ao ponto de pensar em parar de falar como pregador. Mas esse pensamento atingiu seu coração como um fogo ardente alcançando…

Quando o pecado é acalentado

“Se eu no coração contemplara a vaidade, o Senhor não me teria ouvido” (Sl 66.18). O pecado nos assedia, nos cerca com a intenção de dominar, nos persegue com insistência, nos importuna. Somos atraídos ao pecado pelos nossos próprios desejos; e o pecado uma vez consumado, gera a morte. Mesmo sabendo disso, acalentamos o pecado como uma mãe que embala o seu filhinho para dormir. Quando isso acontece perdemos para o pecado, porque ele acontece dentro antes que fora de nós.
Devemos perder todo cinismo em relação ao pecado e tratá-lo com a dureza que a santidade de Deus requer. É uma luta que não acaba. Às vezes parece que já vencemos a tendência de errar, mas não demora e percebemos que somos propensos ao mal.
Não é sem razão que a Bíblia usa expressões fortes como: confessar, cortar, matar, negar, quando fala de nosso trato com o pecado. Não devemos acalentar jamais o pecado em nosso coração; ele quebra nossa comunhão com Deus, com as pessoas, e agita negativamente o nosso interior, provo…