Pular para o conteúdo principal

Meu desligamento da ICEB

Aceitei a mensagem do evangelho numa noite de domingo. No dia seguinte comecei a ler o Novo Testamento. As seguintes palavras de Jesus selaram minha fé: “Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim” (Mt 10.37). Assim começou minha vida cristã.
 
Hoje, trinta e dois anos depois daquele começo para uma nova vida em Cristo, peço meu desligamento da única denominação da qual fui membro desde o início. Eis o teor de meu pedido de desligamento enviado ao diretor nacional do Departamento Ministerial da ICEB:

Prezado Pr. Jessé Bispo,

Conforme já lhe informei em nosso contato anterior, sobre minha disposição de deixar o quadro ministerial da ICEB, agora o faço de forma clara e objetiva.

Conheci o evangelho na ICEB há 32 anos. Tenho uma imagem saudável de nossa denominação, de nossos líderes, e de nossas organizações. Não teria aqui nenhuma razão doutrinária, moral ou reprovação de qualquer natureza para justificar meu pedido de desligamento do quadro ministerial.

Então, por que tal atitude? Minha resposta é que tal decisão é uma questão de fórum íntimo. Algumas concepções minhas de praticidade ministerial diferem de nosso modo denominacional de proceder. São coisas simples e tão práticas, que não merecem ser aqui sistematizadas. Não quero continuar na ICEB com práticas diferentes que me levem a merecer ser chamado para me explicar. Daí minha conclusão de que sair seja a melhor atitude.

Sou grato por todos esses anos na Igreja Cristã Evangélica do Brasil - ICEB. Mas, sinto-me direcionado para um estilo diferente de pastorear. E assim estou fazendo.

Portanto, deixo claro aqui minha decisão de sair da ICEB.
_______________________________________________

Eis a RESPOSTA:

Querido pastor Antônio Francisco,

Acolho seu pedido e vou encaminhar para sua aprovação na próxima reunião da MEAN.

Abraços

Jessé.

Comentários

Luciano Zamboni disse…
Irmão Francisco a Paz!
Venho só me manifestar sobre sua decisão.
Que Deus te abençoe e coloque tudo no devido lugar.

Um grande abraço
Luciano,

Obrigado por sua manifestação.

Um grande abraço
Carlos Bastos disse…
Querido Pastor, irmão e colega de serviço: Antônio Francisco, há muito tempo que não nos vemos. Não me lembro qual a última vez. Tenho acompanhado seu blog, gosto muito dos seus textos e reflexões, bem como das frases! Acho que voce é uma pessoa especial e inteligente. Consegue ver tantas verdades em fatos do dia a dia e transfere-os com as letras para a tela do blog com boa compreensão do ser humano!
Não sei o que o levou a tomar esta decisão. Mas como você disse " é de foro íntimo" não precisa dizer. Acho que compreendo um pouco dos seus sentimentos. Desejo que seus planos sejam dirigidos pelo Senhor da seara.
Um grande abraço do lado do coração, lembranças à Rosângela.
Carlos Bastos
Meu querido Carlos Bastos,

Obrigado por seu emocionante comentário. Tenho boas lembranças de nosso inesquecível tempo no "SEMINÁRIO BÍBLICO GOIANO".

Conforme o e-mail que enviei para o Jessé e que você leu aqui no blog, o motivo de meu desligamento da ICEB refere-se à maneira de pastorear, ou seja, entendo que a prática do Evangelho requer maior simplicidade no modo como somos (ICEB). Para ser e praticar o que entendo do evangelho, eu precisava SAIR, antes que fosse excluído. Eu me sentia na gaiola, e quero voar. É preciso coragem para fazer o que fiz. Não saí porque recebi proposta melhor do que tinha. Eu estou começando uma igreja nova, sem salário e sem nenhuma estrutura humana que me apóie. Mas estou em paz, e estar em paz é tudo. Há muito resolvi que minha consciência é inegociável.

Se quiser acompanhar o que é nossa nova família de fé, não deixe de acessar: www.comunidadedocaminho.com.br

Um grande abraço para você e Débora.

Antonio Francisco.
Anonymous disse…
Fico agradecido do Sr. ter tomado essa decisão.
Tenho crescido muito contigo e com minha familia.
Que a Graça permaneça neste lugar. Amém
De:
Josymar

Postagens mais visitadas deste blog

O conhecimento e suas implicações

"Quem come do fruto do conhecimento é sempre expulso de algum paraíso" (Melanie Klein). Não posso deixar de dizer duas coisinhas rápidas considerando o contexto dessas palavras de Melanie Klein: Nem todo conhecimento merece ser conhecido, sob pena de sermos expulsos do paraíso maravilhoso que nos acolhia mesmo não tendo o conhecimento que resulta na expulsão. Saber menos muitas vezes significa ser mais sábio. Por outro lado, o conhecimento abre nossos olhos e nos leva a romper com os limites de muitos paraísos. Às vezes nem precisamos decidir sair porque somos expulsos antes. Quando isso acontece quase sempre experimentamos a liberdade que não conhecíamos no paraíso que tanto valorizávamos. Cada um de nós deve discernir o que vale a pena conhecer e o que vale a pena ignorar. Ficar dentro ou fora do paraíso é uma decisão nossa. Mas é bom conhecer os valores e as implicações de nossas decisões, pois somos livres para escolher, mas não somos livres para escolher as consequênc…

Quando o pecado é acalentado

“Se eu no coração contemplara a vaidade, o Senhor não me teria ouvido” (Sl 66.18). O pecado nos assedia, nos cerca com a intenção de dominar, nos persegue com insistência, nos importuna. Somos atraídos ao pecado pelos nossos próprios desejos; e o pecado uma vez consumado, gera a morte. Mesmo sabendo disso, acalentamos o pecado como uma mãe que embala o seu filhinho para dormir. Quando isso acontece perdemos para o pecado, porque ele acontece dentro antes que fora de nós.
Devemos perder todo cinismo em relação ao pecado e tratá-lo com a dureza que a santidade de Deus requer. É uma luta que não acaba. Às vezes parece que já vencemos a tendência de errar, mas não demora e percebemos que somos propensos ao mal.
Não é sem razão que a Bíblia usa expressões fortes como: confessar, cortar, matar, negar, quando fala de nosso trato com o pecado. Não devemos acalentar jamais o pecado em nosso coração; ele quebra nossa comunhão com Deus, com as pessoas, e agita negativamente o nosso interior, provo…

A luta interior do pregador

Quem anuncia o Evangelho tem pés formosos, é um privilegiado; é assim que me sinto, e essa glória ninguém a tira de mim. Porém, ninguém conhece os conflitos interiores de um pregador senão ele mesmo. Quando chamado para libertar o povo de Israel do Egito, Moisés pediu que Deus enviasse outro porque ele se sentia desqualificado. Mas, o Senhor lhe disse: "Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar". E ele foi. Quando Deus convocou o profeta Jeremias, a reação dele foi: "ah! Senhor Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança". Mas o Senhor lhe disse: "Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás". Mais tarde Jeremias lamentou e chorou muitas vezes pelo seu ministério. Servia de escárnio todo dia diante do povo. Chegou ao ponto de pensar em parar de falar como pregador. Mas esse pensamento atingiu seu coração como um fogo ardente alcançando…