Pular para o conteúdo principal

Onde está a sua fé?

A Bíblia diz que a fé sem obras está morta (Tg 2.17). O que seria uma fé morta? De alguma forma ela existe. Mas, se existe, por que está morta? Está morta porque ela não tem vida.

O que é a fé? Será que o que importa mesmo é a fé e não onde colocamos a nossa fé? Existe mesmo a fé grande, a fé pequena, a fé poderosa? Como você sabe que tem fé? Onde está a sua fé? Pense nisso. É importante.

O Evangelho narra que Jesus na companhia de seus discípulos atravessava o lago da Galileia, uma travessia de 10 km. Exausto de seus afazeres ele dormiu durante o percurso. Enquanto os discípulos navegavam veio uma tempestade e eles correram o perigo de naufragar. Não podendo fazer nada para superarem aquela situação, mesmo sendo pescadores experientes e acostumados com o mar, acordaram Jesus para pedirem ajuda. Jesus mostrou sua autoridade sobre a natureza e acalmou a tempestade. Mas, em seguida, repreendeu os discípulos dizendo: “Onde está a vossa fé?” (Lc 8.22-25).

A fé não é tão comum quanto parece ser. O povo em geral é crédulo, as crendices se multiplicam, mas a fé no sentido bíblico, essa parece ser cada vez mais escassa, ao ponto de a Bíblia dizer: “Quando vier o Filho do Homem, achará, porventura, fé na terra?” (Lc 18.8). Isso foi dito depois de Jesus falar da fé viva de uma viúva.

Presume-se que as pessoas que pertencem a uma igreja sejam pessoas de fé, enquanto que as pessoas que não freqüentam uma igreja são as incrédulas, os ateus assumidos. Grande engano. Foi fora do ambiente religioso onde Jesus encontrou a verdadeira fé. Foi na rua, nas estradas e nos lugares menos prováveis que ele admirou-se da fé das pessoas. Ou você acha que o Zaqueu, o Bartimeu, o bom samaritano, e a prostituta que regava os pés de Jesus com lágrimas e os enxugava com os próprios cabelos, beijava-lhe os pés e os perfumava, você acha que esse pessoal freqüentava alguma espécie de igreja? De jeito nenhum. Será que não foi exatamente por isso que Jesus disse para a cúpula religiosa de Israel: “Em verdade vos digo que publicanos e meretrizes vos precedem no reino de Deus” (Mt 21.31).

Com isso estou dizendo que se deve deixar de frequentar uma igreja e que os céticos, aqueles que ficam de longe é que são os de Deus? Claro que não é isso que estou dizendo. Mas deixo claro que as coisas em matéria de fé não são tão departamentalizadas ou definidas quanto queremos que seja. O pessoal que é assíduo frequentador de igreja que se cuide. Muita gente boa, no final, ao prestar contas de seu curriculum invejável de fé, vai ouvir do Senhor Jesus: “Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade” (Mt 7.21-23).

A Bíblia diz: “Tornai-vos, pois, praticantes da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos a vós mesmos” (Tg 1.22). Ser “ouvinte da Palavra” não é o mesmo que ser “praticante da Palavra”. Eu conheço bem o ambiente de igreja, pois vivi lá por trinta e dois anos. O grande problema no universo eclesiástico é que fé é concordar com um sistema de crenças internalizado, mas, a verdadeira fé se expressa no comportamento. Se a minha fé não se expressar em todo o meu estilo de viver, não sei o que é fé. Aliás, o modo como eu vivo é que de fato mostra a fé que tenho. Alguém já disse que só creio na parte da Bíblia que pratico. Se a gente levasse isso a sério, teríamos muita dificuldade em responder: Onde está a sua fé? A fé que não serve, não serve pra nada. Se a minha fé não me ajudar a viver, ela não me ajudará a morrer. Se a minha fé não frutificar, ela não existe, mesmo que eu concorde com a declaração de fé da igreja.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O conhecimento e suas implicações

"Quem come do fruto do conhecimento é sempre expulso de algum paraíso" (Melanie Klein). Não posso deixar de dizer duas coisinhas rápidas considerando o contexto dessas palavras de Melanie Klein: Nem todo conhecimento merece ser conhecido, sob pena de sermos expulsos do paraíso maravilhoso que nos acolhia mesmo não tendo o conhecimento que resulta na expulsão. Saber menos muitas vezes significa ser mais sábio. Por outro lado, o conhecimento abre nossos olhos e nos leva a romper com os limites de muitos paraísos. Às vezes nem precisamos decidir sair porque somos expulsos antes. Quando isso acontece quase sempre experimentamos a liberdade que não conhecíamos no paraíso que tanto valorizávamos. Cada um de nós deve discernir o que vale a pena conhecer e o que vale a pena ignorar. Ficar dentro ou fora do paraíso é uma decisão nossa. Mas é bom conhecer os valores e as implicações de nossas decisões, pois somos livres para escolher, mas não somos livres para escolher as consequênc…

A luta interior do pregador

Quem anuncia o Evangelho tem pés formosos, é um privilegiado; é assim que me sinto, e essa glória ninguém a tira de mim. Porém, ninguém conhece os conflitos interiores de um pregador senão ele mesmo. Quando chamado para libertar o povo de Israel do Egito, Moisés pediu que Deus enviasse outro porque ele se sentia desqualificado. Mas, o Senhor lhe disse: "Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar". E ele foi. Quando Deus convocou o profeta Jeremias, a reação dele foi: "ah! Senhor Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança". Mas o Senhor lhe disse: "Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás". Mais tarde Jeremias lamentou e chorou muitas vezes pelo seu ministério. Servia de escárnio todo dia diante do povo. Chegou ao ponto de pensar em parar de falar como pregador. Mas esse pensamento atingiu seu coração como um fogo ardente alcançando…

Quando o pecado é acalentado

“Se eu no coração contemplara a vaidade, o Senhor não me teria ouvido” (Sl 66.18). O pecado nos assedia, nos cerca com a intenção de dominar, nos persegue com insistência, nos importuna. Somos atraídos ao pecado pelos nossos próprios desejos; e o pecado uma vez consumado, gera a morte. Mesmo sabendo disso, acalentamos o pecado como uma mãe que embala o seu filhinho para dormir. Quando isso acontece perdemos para o pecado, porque ele acontece dentro antes que fora de nós.
Devemos perder todo cinismo em relação ao pecado e tratá-lo com a dureza que a santidade de Deus requer. É uma luta que não acaba. Às vezes parece que já vencemos a tendência de errar, mas não demora e percebemos que somos propensos ao mal.
Não é sem razão que a Bíblia usa expressões fortes como: confessar, cortar, matar, negar, quando fala de nosso trato com o pecado. Não devemos acalentar jamais o pecado em nosso coração; ele quebra nossa comunhão com Deus, com as pessoas, e agita negativamente o nosso interior, provo…