Pular para o conteúdo principal

Misericórdia quero e não holocaustos

Alguém pode ser zeloso por Deus sem saber o que está fazendo? Sim. O apóstolo Paulo era assim antes de sua conversão a Jesus a caminho de Damasco. Ele perseguia os cristãos fervorosamente achando com isso estar fazendo um serviço a Deus.
Depois ele escreveu de seus irmãos judeus: “Eles têm zelo por Deus, porém não com entendimento” (Rm 10.2). Quem crer também precisa pensar.

Os maiores opositores de Jesus não saírem das multidões, do meio do povo comum, mas eram os religiosos, os que lideravam a vida espiritual do povo, os que interpretavam a lei de Moisés e ditavam normas de conduta ao povo. Esses criticavam, discordavam e perseguiam Jesus o tempo todo. Eles não conseguiam ver a vida com os mesmos olhos com os quais Jesus olhava para Deus-Pai, para as Escrituras Sagradas, para as pessoas, e para as circunstâncias do dia a dia.

Numa dessas cenas comuns, Jesus se encontrava em casa, quando muitos publicanos e pecadores, ou seja, pessoas de má índole, de comportamento desprezível, e de moral reprovável, vieram e tomaram assento à mesa com Jesus e seus discípulos. Diga-se de passagem, que, tomar uma refeição com alguém no contexto oriental dos dias de Jesus, era uma demonstração de familiaridade e aceitação mútua entre as pessoas (Mt 9.10).

Quando os religiosos viram isso, começaram a questionar aos discípulos: “Por que come o vosso Mestre com os publicanos e pecadores?” (Mt 9.11). Para eles era inconcebível que pessoas de má fama tivessem tanta intimidade com pessoas que viviam para agradar a Deus. É exatamente isso que a igreja evangélica ainda não entendeu bem. O critério usado para dizer que as pessoas de Deus são as que estão dentro dos templos evangélicos, e as pessoas que vivem longe de Deus são as que não freqüentam uma igreja, é de uma ingenuidade tamanha que não dá para aceitar. A diferença entre os que são e os que não são é tão difícil de ser feita, que Jesus disse que é melhor deixar que os anjos de Deus cuidem disso no final dos tempos e que não sejamos precipitados em decidir nesse particular (Mt 13.24-30, 36-43).

Ao ouvir a censura dos fariseus, Jesus disse: “Os sãos não precisam de médico, e sim os doentes. Ide, porém, e aprendei o que significa: Misericórdia quero e não holocaustos; pois não vim chamar justos, e sim pecadores [ao arrependimento]” (Mt 9.12-13). Essas palavras de Jesus não condizem com a praticidade evangélica de nossos dias, salvo, raras exceções. Pouca gente na igreja está interessada em cuidar de doentes. Pessoas “justas” é tudo o que a igreja quer e não pecadores. Misericórdia! Ah! Misericórdia! Essa só na teoria. O que o “povão de Deus” gosta mesmo é de holocaustos, ou seja, de sacrifícios. O povo gosta mesmo é de campanhas, subir ao monte, vigílias, jejuns, regrinhas de pode e não pode para tudo, barganhas com Deus através de dízimos e ofertas (como se Deus barganhasse com alguém). O amor ralo só existe entre os que se cajunegam mutuamente. Os que pisam na bola são tirados de campo rapidamente. Os feridos vão ficando para trás. Cansei desse ambiente de sorrisos amarelos, tapinhas nas costas com uma mão e apunhalamento com a outra.

Essa frase de Jesus: “Misericórdia quero e não holocaustos”, me saltaram aos olhos como minhas, pois é exatamente isso que quero daqui para a frente. Estou fugindo de sistemas castrantes, programas estéreis, estudos e mais estudos que não penetram na cabecinha da maioria e que deixam alguns poucos com uma cabeça monstruosa, mas que os demais membros do corpo continuam nanicos. A Bíblia diz: “O saber ensoberbece, mas o amor edifica” (1Co 8.1). Existe muito saber, muitas informações, muitas anotações, o que resulta em vaidade, prepotência e arrogância em muitos, mas, o amor mesmo que edifica, esse é cantado, pregado, falado, mas desconhecido na vivência eclesiástica. Quero misericórdia para os outros, e quero misericórdia para mim. Chega de sacrifícios de tolos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O conhecimento e suas implicações

"Quem come do fruto do conhecimento é sempre expulso de algum paraíso" (Melanie Klein). Não posso deixar de dizer duas coisinhas rápidas considerando o contexto dessas palavras de Melanie Klein: Nem todo conhecimento merece ser conhecido, sob pena de sermos expulsos do paraíso maravilhoso que nos acolhia mesmo não tendo o conhecimento que resulta na expulsão. Saber menos muitas vezes significa ser mais sábio. Por outro lado, o conhecimento abre nossos olhos e nos leva a romper com os limites de muitos paraísos. Às vezes nem precisamos decidir sair porque somos expulsos antes. Quando isso acontece quase sempre experimentamos a liberdade que não conhecíamos no paraíso que tanto valorizávamos. Cada um de nós deve discernir o que vale a pena conhecer e o que vale a pena ignorar. Ficar dentro ou fora do paraíso é uma decisão nossa. Mas é bom conhecer os valores e as implicações de nossas decisões, pois somos livres para escolher, mas não somos livres para escolher as consequênc…

A luta interior do pregador

Quem anuncia o Evangelho tem pés formosos, é um privilegiado; é assim que me sinto, e essa glória ninguém a tira de mim. Porém, ninguém conhece os conflitos interiores de um pregador senão ele mesmo. Quando chamado para libertar o povo de Israel do Egito, Moisés pediu que Deus enviasse outro porque ele se sentia desqualificado. Mas, o Senhor lhe disse: "Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar". E ele foi. Quando Deus convocou o profeta Jeremias, a reação dele foi: "ah! Senhor Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança". Mas o Senhor lhe disse: "Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás". Mais tarde Jeremias lamentou e chorou muitas vezes pelo seu ministério. Servia de escárnio todo dia diante do povo. Chegou ao ponto de pensar em parar de falar como pregador. Mas esse pensamento atingiu seu coração como um fogo ardente alcançando…

Quando o pecado é acalentado

“Se eu no coração contemplara a vaidade, o Senhor não me teria ouvido” (Sl 66.18). O pecado nos assedia, nos cerca com a intenção de dominar, nos persegue com insistência, nos importuna. Somos atraídos ao pecado pelos nossos próprios desejos; e o pecado uma vez consumado, gera a morte. Mesmo sabendo disso, acalentamos o pecado como uma mãe que embala o seu filhinho para dormir. Quando isso acontece perdemos para o pecado, porque ele acontece dentro antes que fora de nós.
Devemos perder todo cinismo em relação ao pecado e tratá-lo com a dureza que a santidade de Deus requer. É uma luta que não acaba. Às vezes parece que já vencemos a tendência de errar, mas não demora e percebemos que somos propensos ao mal.
Não é sem razão que a Bíblia usa expressões fortes como: confessar, cortar, matar, negar, quando fala de nosso trato com o pecado. Não devemos acalentar jamais o pecado em nosso coração; ele quebra nossa comunhão com Deus, com as pessoas, e agita negativamente o nosso interior, provo…