Pular para o conteúdo principal

A segunda metade da minha vida

Enquanto saía da recepção de um hotel dei uma olhada no jogo entre o Atlético paranaense e o Fluminense que no final do segundo tempo empatou o jogo em 2x2 com gol de pênalti pelo campeonato brasileiro. Gostei de ver esse final positivo para o Fluminense que é o meu time no Rio de Janeiro. Esse jogo me mostrou o óbvio no futebol: o jogo é ganho ou perdido no segundo tempo, não no primeiro, o que nos diz que o segundo tempo do jogo é mais importante que o primeiro, pois é nele que se ganha ou perde.

Quando comparamos nossa vida com uma partida de futebol, podemos dizer que o primeiro tempo da vida vai até os 45 anos aproximadamente. No futebol há um intervalo de 15 minutos entre os dois tempos, o que serve para o descanso dos jogadores e avaliações técnicas e táticas. Nessa fase da vida (entre 35 e 45 anos), também podemos e devemos parar para uma avaliação. Então, o segundo tempo pode ter uma qualidade bem maior que o primeiro tempo (primeira parte da vida).

Nesses dias estou literalmente vivendo o intervalo do jogo da vida. Esse intervalo para mim está sendo de três meses. Creio piamente que Deus está me dando esse tempo apesar do intento negativo das pessoas. Lembro-me das palavras de José quando lhe venderam e o mandaram para o Egito. Eles não sabiam dos planos de Deus para José e para eles mesmos. Algum tempo depois José lhes disse: “Vós, na verdade, intentastes o mal contra mim; porém Deus o tornou em bem, para fazer, como vedes agora, que se conserve muita gente em vida” (Gn 50.20).

Estou próximo dos cinquenta anos, mas acredito que o melhor ainda está por vir. Minha cosmovisão tem mudado de tal maneira que não caibo mais onde tenho estado. A gaiola não me cabe mais. Estou começando o segundo tempo da vida experimentando o que é ser um seguidor alado de Jesus para poder andar nas alturas e ao mesmo tempo manter os pés no chão (Hc 3.19).

Deus está me guiando para começar algo novo firmado no Evangelho de Jesus. Mas, será que não estou muito velho para começar algo? Foi isso que um cunhado meu disse outro dia. Mas, a verdade é que me sinto muito motivado para recomeçar, e melhor, sem as amarras da religiosidade evangélica.

Moisés foi chamado para libertar o povo de Israel do Egito quando tinha oitenta anos, Calebe tinha oitenta e cinco quando tomou posse da terra prometida, e disse que se sentia como se tivesse quarenta anos. E por que eu estou velho? Velha é a lua, e todo mês ela fica nova. A Bíblia diz: “Mas os que esperam no Senhor renovam as suas forças, sobem com asas como águias, correm e não se cansam, caminham e não se fatigam” (Is 40.31).

Estou me aquecendo para entrar no segundo tempo do jogo da vida. Estou animado e crente na vitória final. É comum ver um time ganhar um jogo e às vezes um campeonato aos quarenta e seis minutos do segundo tempo. Acredito mesmo que assim será comigo. Deus está me dando um time de vencedores que não são super-homens nem mulheres maravilhas, são pessoas comuns com liberdade para jogarem no espaço que Deus lhes deu. Todos são titulares que vestem a camisa para ganharem e perderem junto com os companheiros. Estamos numa caminhada e queremos seguir juntos.

Comentários

Anonymous disse…
Muito bom! Eu tenho um pai que é profundo nas palavras (e na vivência delas). Preciso ler mais essas escritas!
É... E esse segundo tempo tem valido a pena né? Como você melhorou einh?!? Está uma pessoa bem mais avançada e evoluda, mais alegre e mais livre.
Estou motivada pois ainda me faltam 20 anos para iniciar o meu segundo tempo... rs. Preciso me preparar...
Bjs papi.
"Farelo, formiga".

Postagens mais visitadas deste blog

O conhecimento e suas implicações

"Quem come do fruto do conhecimento é sempre expulso de algum paraíso" (Melanie Klein). Não posso deixar de dizer duas coisinhas rápidas considerando o contexto dessas palavras de Melanie Klein: Nem todo conhecimento merece ser conhecido, sob pena de sermos expulsos do paraíso maravilhoso que nos acolhia mesmo não tendo o conhecimento que resulta na expulsão. Saber menos muitas vezes significa ser mais sábio. Por outro lado, o conhecimento abre nossos olhos e nos leva a romper com os limites de muitos paraísos. Às vezes nem precisamos decidir sair porque somos expulsos antes. Quando isso acontece quase sempre experimentamos a liberdade que não conhecíamos no paraíso que tanto valorizávamos. Cada um de nós deve discernir o que vale a pena conhecer e o que vale a pena ignorar. Ficar dentro ou fora do paraíso é uma decisão nossa. Mas é bom conhecer os valores e as implicações de nossas decisões, pois somos livres para escolher, mas não somos livres para escolher as consequênc…

A luta interior do pregador

Quem anuncia o Evangelho tem pés formosos, é um privilegiado; é assim que me sinto, e essa glória ninguém a tira de mim. Porém, ninguém conhece os conflitos interiores de um pregador senão ele mesmo. Quando chamado para libertar o povo de Israel do Egito, Moisés pediu que Deus enviasse outro porque ele se sentia desqualificado. Mas, o Senhor lhe disse: "Vai, pois, agora, e eu serei com a tua boca e te ensinarei o que hás de falar". E ele foi. Quando Deus convocou o profeta Jeremias, a reação dele foi: "ah! Senhor Deus! Eis que não sei falar, porque não passo de uma criança". Mas o Senhor lhe disse: "Não digas: Não passo de uma criança; porque a todos a quem eu te enviar irás; e tudo quanto eu te mandar falarás". Mais tarde Jeremias lamentou e chorou muitas vezes pelo seu ministério. Servia de escárnio todo dia diante do povo. Chegou ao ponto de pensar em parar de falar como pregador. Mas esse pensamento atingiu seu coração como um fogo ardente alcançando…

Jó e Enoque

"Jó é Enoque ao contrário (Gn 5.24). Enoque andou com Deus e foi arrebatado para não ver a morte. Jó anda com Deus e é esmagado até ver e sentir o hálito da morte. E ambos foram não apenas justificados pela mesma fé, mas também experimentaram o que experimentaram pela amizade com o mesmo Deus. Portanto, o que vale é: 'se subo aos céus, lá estás; se faço a minha cama no mais profundo abismo, lá estás também'" (Sl 139.8). [Enigma da Graça, Caio Fábio, pag. 71].

A mesma fé em Deus conduz uns à glória e outros à dor. Isso está para além de nosso entendimento. Tanto Enoque como Jó eram íntimos de Deus, e, exatamente por isso um foi arrebatado para o gozo eterno e o outro foi arremessado para longe do gozo terrestre. Diante de nossos olhos Enoque parece ter sido mais privilegiado que Jó, mas ninguém deve tirar tal conclusão. Ambos sempre foram amados por Deus e continuaram crescendo na graça e no conhecimento de Deus.

Por que Enoque escapou da morte e Jó foi alvejado pela…